sexta-feira, 28 de abril de 2017

Finanças minimalistas

Durante o mês de Maio vou experimentar um novo orçamento. Percebem porque é que eu digo que não é por falta de tentativas que a coisa não encarreira.
Desta vez criei o que chamei de orçamento minimalista.
Basicamente fiz uma faxina financeira no meu orçamento, ou seja, neste momento o meu orçamento é composto apenas pelas despesas fixas mínimas (fiquei apenas com as despesas que contribuem para a minha sobrevivência) e um pequeno valor para o mês (para degolar a shopping list, para o lazer, etc.).
De ressalvar que para mim a poupança é encarada como se de uma prestação de um crédito se tratasse, pelo que está contemplada nas despesas fixas mínimas.
Portanto, o que eu fiz foi eliminar tudo o que não era importante para a minha sobrevivência.
Agora, vamos ver como corre :-)

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Cenas que me ultrapassam... no nosso país

Ver pessoas que ganham o salário mínimo e, para além, de terem de garantir a sua sobrevivência e da sua família, têm de garantir transporte para ir para o trabalho (caso tenham interesse em mantê-lo, claro!).
Depois vemos deputados que ganham mais de 3000€ por mês (por meia dúzia de presenças na Assembleia da República) e têm ajudas de custo para transporte e habitação (sendo incluisivé proprietários de imóveis em Lisboa)...

domingo, 23 de abril de 2017

Como poupar com o telemóvel


No seguimento do post anterior lembrei-me de partilhar alguns truques que uso para poupar com o telemóvel:

- ter um tarifário de acordo com as minhas necessidades, ou seja, tirar o máximo partido dos serviços disponibilizados pelo tarifário e usar o maior número possível (p.e. o meu tarifário não contempla dados móveis, porque eu simplesmente não os uso);

- ter um tarifário pré-pago;

- usar a wi-fi, ou seja, se já pagamos internet em casa (que inclui wi-fi), se nos transportes temos wi-fi e se no trabalho uso wi-fi, porque raio hei-de ter um tarifário com muitos GB de internet e mais caro? É duplicação de despesas, logo desperdício de dinheiro;

- tenho chamadas e sms grátis para quem falo mais;

- fazer carregamentos mínimos;

- usar os pontos para ajudar quem mais precisa. :-)

sábado, 22 de abril de 2017

Como desperdiçar dinheiro rapidamente?

Ligar acidentalmente os dados móveis no telemóvel e só nos apercebermos disso minutos depois.
Em menos de nada disse adeus a mais de três euros. Fiquei a zeros!!!
E não usufrui nada!
Ca nervos!!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Vício!!!

Cá em casa adoramos gelados!
Acho que se desse a sobremesa seria sempre gelado, apesar de, depois eu passar mal!! :-)
Seja como for, volta e meia lá vamos ao shopping e nesses dias há sempre gelado para as manas.
Os preferidos são os da Llaollao.
Por norma dividimos um Sanum para as duas. São óptimos, personalizáveis, servem melhor que na Olá (fica a dica!) e ainda poupamos qualquer coisa.
Ora, um destes domingos que tivemos de ir ao shopping lá fomos visitar a Llaollao e desta vez aproveitámos para provar um topping novo de maçã verde, que é simplesmente fantástico!! Ficámos fãs!! E já podemos variar do chocolate!
Ficam as fotos...


 
Vocês já provaram estes gelados?
Nós recomendamos!!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Cinco dias em Paris / Danielle Steel

Se procuram um romance levezinho para os dias de praia que se aproximam, esta é uma bela sugestão... :-)


Sinopse:
Peter Haskell, presidente de um império da indústria farmacêutica, tem tudo: poder, posição social, uma brilhante carreira e uma família, pela qual teve de fazer enormes sacrifícios.
Olivia Thatcher é casada com famoso senador, a quem se dedicou de corpo e alma. Presa numa teia de dever e obrigação a um marido que amou em tempos mas que agora mal conhece, o seu mundo desaba quando o filho morre.
Acidentalmente, encontram-se em Paris, no Ritz, numa noite marcada por uma ameaça de bomba. As suas vidas completamente diferentes convergem num momento mágico na Place Vêndome. Num café em Montmartre, os seus corações revelam-se: Peter, outrora cheio de certezas em relação ao seu casamento e à carreira, vê o seu futuro profissional em perigo, e Olívia descobre que não aguenta mais a vida que leva. Quando Olívia desaparece, Peter sabe que não foi um caso passageiro. E o que aconteceria se a encontrasse novamente, se a única coisa que têm são cinco dias em Paris?
De regresso às suas vidas separadas, já nada será como dantes. Em casa, ambos terão de prosseguir com as suas vidas, apesar dos desafios e das traições. Tudo aquilo em que acreditam será posto à prova, até perceberem que têm de enfrentar as mudanças de cabeça erguida e assumir o amor um pelo outro.
 
Dou 3 estrelas!!!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Voo final / Ken Follett


Sinopse:
Do autor de Os Pilares da Terra e Um Mundo sem Fim, um livro com um enredo complexo que leva o leitor pelos meandros do thriller onde o suspense é uma constante.
Em Junho de 1941 a Dinamarca encontra-se sob a ocupação de Hitler, enquanto a Grã-Bretanha é a única potência europeia em condições de fazer frente ao avanço dos nazis. Mas os aviões que partem em missões de bombardeamento são sistematicamente abatidos pelos esquadrões germânicos, como se de algum modo estes conhecessem os planos de ataque da RAF. Uma agente do MI6 é destacada para investigar o que está a beneficiar os alemães, numa missão secreta à Dinamarca... Ao mesmo tempo, na pequena ilha de Sande, o jovem Harald, encontra numa base secreta dos alemães algo cuja descoberta pode ser vital para mudar o curso dos acontecimentos... Um thriller empolgante e complexo, baseado num caso verídico, pela mão do grande mestre da arte de contar que é o mundialmente famoso Ken Follett.
 
Com este autor, eu tenho uma relação de amor/ódio:
se por um lado, não consigo sequer ler os seus romances históricos, por outro, quando ele envereda pelos policiais-romances-aventuras, eu não consigo para de ler enquanto não acabo. Cenas maradas!!!
 
Dou 3 estrelas!!!

sábado, 8 de abril de 2017

Atendimento ao público



Uma das minhas tarefas no trabalho é o atendimento ao público. E desenganem-se se acham esta uma tarefa simples, é bastante complicada!!
Atender o público significa lidar com uma grande multiplicidade de feitios, vontades, estados de espírito. Cada pessoa é uma pessoa, cada dia é um dia. E nunca sabemos quem vamos encontrar naquele dia do outro lado do balcão.
Eu tenho a "sorte" de estar nos dois lados: no lado do funcionário e no lado do cliente e aos longos dos anos apercebi-me que há um conjunto de truques e dicas que nos podem facilitar a vida.
Vamos a eles:

- na perspetiva do funcionário:

1. ter uma boa dose de paciência diária- no atendimento ao público todos os dias são uma incógnita. Nunca sabemos quem vamos encontrar e que estado de espírito terá, por isso, é importante ser uma pessoa paciente, disposta a "dar luta" ao cliente. Mostrar-lhe que está certo ou errado.

2. não descarregar a nossa raiva do dia nos clientes- se por algum motivo nesse dia estamos mal- dispostos, a melhor solução é tentar que aquele dia não estar no atendimento ao público. Se não for de todo possível, e sabendo que nem sempre é fácil de fazer, é tentar ao máximo deixar os problemas fora do trabalho. O cliente e os colegas não têm culpa!!

3. desarmar o cliente- a melhor forma das coisas correrem bem é desarmando um cliente. Estabelecer empatia com ele. Mostrar-lhe que estamos do lado dele, mesmo que ele não tenha razão, e depois com calma mostrar-lhe que está errado. Acreditem!! O cliente pode vir mesmo muito mal disposto, mas se sentir que o funcionário está do lado dele, vai mudar a sua postura e chega a sair dali e a considerar o funcionário o seu melhor amigo. :-)

4. colocar-se no lugar do cliente- outro truque infalível é colocarmo-nos no lugar do cliente, ou seja,
atender o cliente como gostamos de ser atendidos. O bom humor e o sorriso são armas muito eficientes.

7. não entrar em confronto directo com o cliente - isto é meio caminho andado para perdermos a razão que temos. Eu sei que tem dias que quase impossível, mas mesmo nesses dias procurem respirar e acalmar-se.

8. o cliente nem sempre tem razão- eu sei que sempre se disse que O cliente tem sempre razão!, mas isso não é verdade!!! O cliente não tem razão quando é rude e mal-educado. Quando agride o funcionário, ainda que verbalmente. E da mesmo forma que o cliente pode reclamar do funcionário, o funcionário também pode reclamar do cliente e levar à impossibilidade do cliente frequentar o estabelecimento (é possível, já vi acontecer!!)

P.S.- Agora não vamos desatar a reclamar a torto e a direito enquanto cliente e/ou funcionário. A reclamação deve ser sempre feita com critério e razão de ser!!!

- na perspetiva do cliente:

1. não colocar tudo no mesmo saco -só porque fomos mal atendidos por um funcionário das Finanças, não quer dizer que TODOS os funcionários das Finanças, da Segurança Social, que TODOS os funcionários públicos são iguais, porque não o são!!
Já me aconteceu nas Finanças ser atendida pela mesma pessoa em dias diferentes e ela ter posturas diferentes. Lembre-mo-nos que dentro do balcão está um ser humano, que como todos nós tem os seus dias e que nem sempre consegue resguardar para si o que lhe vai na alma. Ah! E desenganem-se se acham que a Função Pública é má no atendimento, o privado é bem pior. As piores recordações que tenho de mau atendimento são todas do privado (o que acaba por tornar as coisas piores, já que perder clientes no privado, pode em último caso significar fecho da empresa e desemprego dos funcionários!)

2. não partir do principio que quem está atras de uma balão é um burro sem qualificações - ao contrário do que possa parecer há profissões que exigem um curso superior e o atendedimento ao público é fundamental para um bom desempenho das suas funções.

3. evitar entrar cinco minutos antes do fecho-  tal como os clientes, os funcionários também tem vida própria, família, um horário para cumprir e tarefas do fim do dia para realizar que apenas podem ser feitas depois dos clientes todos saírem. Deixem para as emergências estes casos.

4.. respeitar sempre quem está do lado de dentro do balcão- o respeito e a educação nunca são demais. Se gostam que vos respeitem, respeitem também os outros. Não é porque a pessoa está atrás de um balcão que deve ser desrespeitada. Vamos adoptar a máxima: Não faças aos outros, aquilo que não gostamos que nos façam a nós!.
 
E vocês têm algum truque que vos ajude?

terça-feira, 4 de abril de 2017

Considerações financeiras...

Volta e meia gosto de olhar com novos olhos para o meu orçamento e, quase sempre, descubro coisas novas. Nomeadamente relativamente ao meu comportamento financeiro.
Estes dias, depois de ler mais um pouco sobre finanças pessoais, andei novamente de volta do meu orçamento e dei-me conta que:

1. no orçamento..
Analisando os meus orçamentos dos dois últimos anos vi que tenho tendência para complicar (aliás isto acompanha-me noutros aspetos), que resulta na criação desenfreada de envelopes, para todo o tipo de categorias.
Mas com a rapidez que complico o sistema, descomplico-o. Ou seja, crio e rapidamente elimino categorias e envelopes. Noto também que regra geral é quando ando em modo finanças minimalistas que a coisa corre melhor.
Dirão vocês (e com razão!), mas então porque mexes? E eu respondo sistema nervoso. Quando ando mais ansiosa dá-me para inventar nas finanças e na organização. Nestas alturas geralmente leio imenso sobre estes assuntos (porque me distraí dos problemas) e tenho a mania de querer aplicar o que li e depois muitas vezes dá asneira. Já tentei dedicar-me a outros temas na leitura, mas não consigo acalmar e com estes sim. Pancadas!!! (das fortes!!)

2. no registo de despesas...
Olhando para a folha de registo de despesas verifiquei que os meus gastos são feitos maioritariamente ao fim-de-semana.
Resultado: tenho semanas de trabalho completas a 0€ gastos.
E todos sabemos que os fins-de-semana são bastante atrativos para gastarmos dinheiro e agora com o bom tempo então... ele é passeios, ele é o gelado que apetece sempre, enfim... sempre a sair da carteira.
Um truque que eu tenho aplicado foi dedicar as tardes de fim-de-semana a um hobbie e os passeios surgem na forma de caminhadas matinais, onde alio o exercício físico, pelo meio resolvo problemas (tipo comprar alguma) e apanho sol, que tanto gosto.

3. na shopping list...
Se queremos poupar, temos de ter uma shopping list enxuta. Ou seja, nesta lista devemos ter apenas aquilo que precisamos mesmo de comprar (quase para viver! As vontades devemos deixá-las na whishlist!). Este truque irá diminuir drasticamente a nossa lista de compras.
Outro truque que eu comecei a usar, e tem resultado, é todos os meses definir 3 urgências para comprar.

sábado, 1 de abril de 2017

Cenas que me ultrapassam...

É certo que estamos na Primavera e que o tempo começa a ficar mais ameno, mas também é certo que o tempo anda meio maluco. Vai daí que temos manhãs frias, tardes mais amenas e noites mais fresquinhas (pelo menos na minha zona nos últimos dias tem andado assim).
Agora alguém que me explique o que leva uma pessoa ao sair de casa pela manhã, perceber que está frio e em vez de voltar a casa para buscar o casaco prefere fazer a figura triste de andar a tremer pela rua?
Não entendo...