quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Viver com intolerâncias alimentares...


Sofrer de uma condição médica, seja ela qual for, é sempre algo complicado.
Por aqui, entre outros problemas, sofremos de intolerância à lactose. :-(
Não sendo incapacitante é algo que condiciona (e muito!) o nosso dia-a-dia.
É algo chato, que pede cuidados alimentares (sob pena dos efeitos que possamos sofrer).
É algo com que nem sempre é fácil de lidar.
É algo que os outros nem sempre entendem.
É algo que muitas vezes a sociedade condena, sem tentar perceber o que está por trás disso.
Ao contrário do que muitos pensam (incluindo médicos) ser intolerante à lactose não é uma moda. Não é uma mania. Não é uma pancada.
É uma condição médica, com sintomas próprios, bem definidos e característicos. Com diagnóstico e exames médicos próprios. Com medicação própria.
No meu caso, o diagnóstico aconteceu já tarde. Há coisa de três anos, quando o meu corpo começou a dar sinais de alergia. Ou seja, já num estado bastante avançado. Dado que eu sofro desta condição desde que nasci. Mas há 30 anos atrás era apenas prisão de ventre herdada da família. Não se falava de lactose e muito menos de intolerância.
Hoje em dia é muitas vezes vista como uma moda ou mania para emagrecer. Mas para quem sofre desta condição não é pancada nenhuma. Os sintomas são bem reais e uma simples ida ao café para comer um bolo ou um gelado pode significar o resto do dia doente.
Em casa é necessário adaptar a alimentação da família, substituir produtos (que muitas vezes são mais caros!).
Comer fora passa a ser precedido de tomar a medicação, que apenas vai ajudar a minimizar os danos.
É necessário fazer um controlo frequente de valores como o cálcio. Porque digam o que disserem o leite é a nossa maior fonte de proteína e privar o nosso organismo dela pode trazer consequências sérias.).
Por isso se desconfiam de alguma coisa falem com o vosso médico. Peçam para fazerem o exame de hidrogénio. É simples, indolor e barato (eu paguei 0.35€ por ele num hospital público). Peçam para serem avaliados por um gastroenterologista. Ele saberá responder a todas as vossas questões.
Façam as coisas como devem ser. Levem o problema a sério, porque apesar de parecer algo simples e uma forma rápida de emagrecer, na verdade ele esconde segredos.
E se no vosso círculo de amigos, familiares e conhecidos tiverem alguém que sofra desta condição, respeitem. Porque para quem sofre não é fácil ir à esplanada confraternizar com os amigos e comer um gelado e passar o resto do dia doente.

2 comentários:

  1. Onde trabalho tive uma menina celíaca e agora há suspeitas de que uma pequena da creche possa ser intolerante à lactose. Apesar de ser complicado a nossa única preocupação é o bem estar das crianças. É a sua segurança. As atenções são redobradas e estuda-se as doenças. Eu estudei bastante sobre celíacos e, ainda assim, acho que não sei nada.

    Felizmente não tenho nenhuma intolerância mas não estou livre de um filho meu ter. Há que estar alerta e tomar atenção aos sinais do nosso corpo. Ele diz-nos tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A doença celíaca é ainda pior pelo que a gastro me explicou. Comparando a intolerância à lactose é contornável pois temos medicação que nos ajuda, por exemplo. :-)
      Tudo a correr bem com os pequenos:-)

      Eliminar