quinta-feira, 28 de junho de 2018

A ameaça / Ken Follett


Sinopse:
Unanimemente considerado um dos mestres actuais do policial, Ken Follett tem a capacidade única de, a cada novo romance, reinventar o próprio thriller. Em A Ameaça, um poderoso agente antiviral desaparece misteriosamente das instalações da Oxenford Medical, uma empresa farmacêutica que está a desenvolver um antivírus para uma das mais perigosas variedades do Ébola. Quem o poderá ter roubado? E com que obscuras intenções? Toni Gallo, responsável pela segurança da empresa, está profundamente consciente da terrível ameaça que o seu desaparecimento pode significar. Mas o que Toni, Stanley Oxenford, o director da empresa, e a própria polícia vão encontrar pela frente é um pesadelo capaz de ultrapassar os seus piores receios… Traições, violência, heroísmo e paixão num thriller absolutamente brilhante.
 
A minha opinião...
Primeiro tenho de esclarecer (não me lembro se já o fiz ou não!) que eu não gosto nada do Follett em modo romance histórico, mas ADORO o Follett em modo policial. Por isso deste autor por aqui apenas verão policiais/thrillers.
A ameaça é a história de uma empresa farmacêutica escocesa que perante a morte de um funcionário com um vírus mortal produzido pela empresa revela falhas de segurança na mesma.
Falhas essas que colocam a empresa numa situação social um pouco complicada. E que acabam por ser aproveitadas por um dos filhos do dono da empresa para tentar dar o golpe de misericórdia na mesma e assim provocar a sua queda.
É, portanto, uma noite de Natal bastante agitada para a família detentora da farmacêutica e onde muitos segredos são revelados.

Dou 3 estrelas!!!

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Vaticanum / José Rodrigues dos Santos



Sinopse:
Um comando do estado islâmico entra clandestinamente no Vaticano e o Papa desaparece. Horas depois surge na internet um vídeo em que os terroristas mostram o Sumo Pontífice em cativeiro e fazem um anúncio chocante: O PAPA SERÁ DECAPITADO EM DIRECTO À MEIA-NOITE. O relógio começa a contar. O rapto do Papa desencadeia o caos. Milhões de pessoas saem à ruas, os atentados sucedem-se, mutiplicam-se os confrontos entre cristãos e muçulmanos, vários países preparam-se para a guerra.

Apanhado no epicentro da crise quando trabalha nas catacumbas da Basílica de São Pedro, Tomás Noronha vê-se envolvido na investigação para descobrir o paradeiro do Papa e cruza-se com um nome enigmático: OMISSIS. A pista irá conduzi-lo ao segredo mais sombrio da Santa Fé.

Usando informação genuína para nos revelar o que se esconde nos bastidores do Vaticano, o escritor preferido dos portugueses está de regresso com o thriller do ano. Com Vaticanum José Rodrigues dos Santos mostra mais uma vez por que razão é considerado mestre do mistério real.

A minha opinião...
Regressei à leitura de autores portugueses e regressei com Tomás Noronha e às suas aventuras pelo Vaticano.
Neste livro, Tomás Noronha está no Vaticano a participar em mais uma escavação arqueológica, quando se vê envolvido em mais uma aventura. A história é bastante rápida (acontece toda numa noite) e tudo acontece tendo o Vaticano como pano de fundo e o Papa uma das personagens principais. Conhecemos um pouco melhor como funcionam os meandros financeiros do Vaticano e o Papa pede ajuda a Tomás para resolver um problema, mas acaba raptado por uma facção do Estado Islâmico.
Desta vez, o romance é colocado um pouco de parte para dar lugar à acção.
Outro ponto a favor é que na minha opinião o autor está a conseguir a cada livro do Noronha passar as mensagens cientificas de uma forma mais simples e acessível. Lembro-me ler O sétimo selo e saltar capítulos inteiros de explicações cientificas que eu não entendia e que, na minha opinião, não eram muito relevantes para a história (falamos de um livro de lazer e não de um livro técnico). Mas acho que com o tempo esse aspecto tem vindo a melhorar.

Dou 3 estrelas!!

segunda-feira, 25 de junho de 2018

em julho...

 
Para Julho e porque se espera que o calor comece a apertar (e isso normalmente deixa-me algo desanimada!) tenciono ter um mês mais calmo, por isso estipulei poucos objectivos.
Tenciono, sobretudo, dedicar-me a fazer da disciplina e foco orçamental um hábito e como dizem que um hábito leva 30 dias a criar, Julho será o mês para criar este hábito.
E termos ainda como objectivos:
  • regressar aos 15 dias de zero cêntimos;
  • colocar o valor mensal na poupança e não mexer nele;
  • dedicar 1h por dia aos crafts;
  • dedicar 1h por dia à leitura.

sábado, 23 de junho de 2018

em junho... # 2


Junho já lá vai e isso significa que chegámos ao meio do ano.
Quem diria? O ano está a passar num ápice e daqui a nada estamos outra vez a fazer a árvore de Natal. Até o tempo tem ajudado. :-)
Seja como for, por aqui Junho é igualmente mês de reflexão sobre como tem corrido o ano e planear o que falta.

Acontecimentos dignos de registo...
  • fui à Feira do Livro;
  • fiz a revisão anual de oftalmologia e correu super bem;
  • comemorou-se o dia dos irmãos comme il faut;
  • comemorou-se o dia da criança comme il faut;
  • dei um bom avanço na resolução do meu problema de roupa com mais uma sessão de Personal Shopping com a Cris;
  • fiz uma formação;
  • houve sushizada com a mana e amigos.

das finanças...
  • consegui ir à Feira do Livro e não me desgraçar. Não comprei um único livro;
  • não tive de comprar lentes novas, que foi óptimo, porque significa que não aumentei a graduação e ainda poupei dinheiro;
  • o mês até começou bem, mas por circunstâncias da vida, a poupança levou um belo rombo. Pelo que Julho será o mês de correr atrás do prejuízo.

dos objectivos...
  • não perder a cabeça na Feira do Livro; - FEITO!!
  • descobrir meios de me tornar mais disciplinada; - NÃO ATINGI!!
  • ter 15 dias sem gastar um cêntimo; - NÃO ATINGI!!
  • colocar o valor mensal da poupança e não lhe mexer; - NÃO ATINGI!!
  • dedicar uma 1h por dia aos crafts; - A CAMINHO...
  • comprar umas peças de roupa/calçado; - FEITO!!
  • destralhar o roupeiro. - FEITO!!

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Viver com pouco # 14: Avaliação semestral

A cada seis meses gosto de reavaliar a situação das minhas finanças. Das minhas poupanças.
Este ano estava bastante contente, pois tinha conseguido todos os meses colocar 25% do meu rendimento na poupança, religiosamente. E sem mexer nele. E isso deixava-me muito contente.
Contudo, em Junho por circunstâncias da vida tive de recorrer à poupança. No entanto, não me deixou remorsos ou triste, porque na realidade fiquei bastante contente, pois precisei do dinheiro e como o tinha poupado, pude fazer face às despesas imprevistas.
Paz de espírito acho que foi o que senti, pois tive uma emergência financeira e como poupei tinha dinheiro para a cobrir. Motivo pelo qual devemos sempre poupar: não sabemos o dia de amanhã.
Houve então que parar, realinhar os chacras e definir novos objectivos.
Assim decidi várias coisas:
  1.  que até ao final do ano tenho de aprender a ser mais rigorosa e focada com o meu orçamento mensal e na forma como gasto o meu dinheiro. Afinal, tenho de correr atrás do prejuízo. :-)
  2. decidi regressar ao sistema de envelopes para o dinheiro que tenho para o mês. A minha luta para aprender a controlar este valor e aprender a gastá-lo de uma forma mais inteligente;
  3. fazer uma limpeza semanal nas moedas para ajudar a alimentar o meu porquinho mealheiro que este ano anda muito esquecido.
Para me ajudar em tudo isto decidi igualmente rever a minha agenda, a forma como está organizada, aforma como eu me organizo... os objectivos... etc.

Depois de uma crise do meio do ano, Julho é o mês do (re)começo!!

quarta-feira, 20 de junho de 2018

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Sobre a memória fraca dos portugueses...

Faz agora um ano, o país acordava para uma das maiores tragédias de sempre no país, relativamente ao fogos (para nossa tristeza, três meses depois assistiríamos a uma tragédia ainda maior!)
Dezenas de pessoas morreram, centenas de árvores ardidas, milhares de hectares destruídas, muitas famílias com a vida em stand by...
Bastaram dois dias de calor excessivo e as notícias são invadidas pelos fogos florestais novamente.
Realmente os portugueses têm uma memória muito fraca e não aprendem com os erros.
:-(

sexta-feira, 15 de junho de 2018

12 factos sobre mim... # 6


Continuando na onda dos doces sou viciada em gomes.
Adoro!! Adoro!!
Para ir ao cinema, por exemplo, prefiro às pipocas.
E agora já marchavam umas?
Quem me faz companhia?
 

domingo, 10 de junho de 2018

In the mood for fashion... # 28

Lembram-se de ter por aqui contado que tinha comprado uma parka na Zara e que era a coisa mais linda e amorosa desta vida?
Pois bem, revelou-se uma compra super acertada. Tem sido a minha companhia nestes dias que não são inverno, mas também não são verão.
Ora atentem bem na belezura...





Atentem no pormenor traseiro... Fofo não é? ;-)






Sapatos castanhos Rockport
Jeans Massimo Dutti
Spaghetti top branco Zara
Blusa branca Zara
Mala camel Lanidor
Parka Zara (NEW)

sábado, 9 de junho de 2018

In the mood for fashion... # 27

A Feira do Livro por aqui continua a dar que falar.
Foi nesse belo passeio de domingo que regressei às fotos dos looks.
O tempo estava convidativo.
Tinha peças vestidas que ainda não tinham surgido por aqui.
Tinha tempo e disposição. :-)




 
Sapatos vela Rockport
Jeans Massimo Dutti
Sleeve 3/4 branca Zara
Cardigan turquesa Lanidor
Lenço Lefties
Mala Lanidor

terça-feira, 5 de junho de 2018

Dica do dia: o valor de uma capa

Enquanto leitora ávida e amante da literatura tenho, como é óbvio, uma predileção especial pelo objecto livro.
Gosto de o ler, mas também gosto de os estimar. Talvez porque não seja uma compradora compulsiva deles (não daria financeiramente e a nível de espaço) tenho um especial cuidado com os livros que leio. Afinal de contas eles vês maioritariamente de uma biblioteca pública, um espaço que todos nós sustentamos com os nossos impostos. Logo há que valorizar e "estimar" o erário público.
E da mesma forma que não gosto que estraguem as  minhas coisas, também não vou estragar o que não é meu. Assim há muito que me habituei a ter uma capa para os proteger.
E gosto particularmente das artesanais. São personalizáveis e únicas no mercado. Sei que não vai haver uma igual por aí.
E imbuída no espírito da Feira do Livro (que aliás têm sido um tema bastante produtivo aqui no blogue :-) ) e aproveitando uma promoção (que eu sou pessoa que adora poupar uns trocos) lá encomendei uma para substituir a  minha que já precisa de reforma.
Ficam com as vossas leituras muito mais fashion e ainda poupar dinheiro!!
É só bons negócios!!

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Mau negócio!!

Lembram-se do mau negócio on-line que fiz?
Pois aqui está o resultado: ao fim de OITO utilizações (sim dei-me ao trabalho de as contar!!) este é o estado em que está a mala bordeaux!
Aquela que prometia até ser uma mala com melhor qualidade está literalmente a desfazer-se!!
A camel não está melhor, mas essa tem contra ela o facto de ser usada diariamente, enquanto que está é usada muito esporadicamente.
Enfim... o que é barato sai (mesmo) caro!!!
Assim ao fim de meia dúzia de meses tenho de voltar a procurar uma mala e voltar a gastar dinheiro.
Mas o que mais me doí na alma é que desperdicei dinheiro!! :-(

domingo, 3 de junho de 2018

E os Globos de Ouro?

Devo dizer que na minha humilde opinião foi um desfile de mau gosto!
Gostei do facto de a grande maioria ter optado por estilistas portugueses, mas a sério que não podiam ter escolhido algo bonito? De bom gosto? Que favorecesse a figura delas?
Se à coisa que me tira do sério nestas coisas é estarmos a falar de pessoas bonitas, que têm corpo para qualquer trapinho, têm recursos financeiros, mas depois espalham-se ao cumprido!!
Eu não sou nenhum expert na área e por isso pedi ajuda a quem sabe (e tenho recursos financeiros limitados!) para andar por aí a fazer boa figura, fico com a dúvida: porque raio não recorrem elas a profissionais que percebem da coisa???
Mas porque, graças a Deus, há quem tenha espelhos em casa gostei particularmente destes dois modelitos...

Dânia Neto

Sofia Cerveira

sábado, 2 de junho de 2018

Sobre o casamento real...

Pois que ainda não tínhamos falado aqui daquele que foi o evento real do ano: o casamento de Harry e Megan.
Para mim foi simplesmente a prova provada que os contos de fada podem ser reais. Claramente falamos de um casamento real por amor. Via-se em cada gesto, em cada olhar...
Simplesmente... lindo!!
E o Bispo americano? Adorei!! A homilia, o jeito, o entusiasmo... Fantástico!!
E o coro? De arrepiar!!!
Fiquei igualmente fã da mãe da noiva!! Super elegante, bonita, autêntica e soube estar à altura do acontecimento.
Agora quanto à Kate...à sério que a moça não conseguia arranjar uns trocos para comprar um vestido novo? Ou quiçá um modelito menos "rodado"? Afinal estamos a falar da madrinha do noivo (eu não compro muito a teoria do não ofuscar a noiva!!)


 
Quanto aos tão falados vestidos demasiado simples, para muitos, eram perfeitos!! Pelo menos, para mim. Se há algo inegável é que a noiva é detentora de uma beleza extraordinária e como tal não precisa de muito para sobressair. E estamos a falar de uma mulher que tem essa consciência e que sabe usar isso em seu proveito.
Além do mais, se pensarmos bem vai de encontro ao estilo dela. Também no dia-a-dia falamos de uma pessoa que pauta pela simplicidade e elegância no vestir. Que veste a roupa que usa e não o contrário.
O segundo vestido então... babei.. *suspiro*
 
 


Quanto a mim estava tudo muito bonito, simples e elegante. E o mais importante o casamento foi a cara deles, feito e pensado em cada detalhe.
 

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Viver com pouco # 13: Disciplina!!


No que respeita ao orçamento, no meu caso, tenho-me apercebido que sou muito pouco disciplinada. Sobretudo, no que toca à shopping list e a manter-me nos limites que estabeleci para aquele mês.
É uma luta diária lutar contra compras impulsivas e desnecessárias, resistir ao gelado ou bolo...
E é muito cansativo e até desmotivante - confesso! - estar sempre a fazer contas.
Mas, como tanta coisa na vida, também a disciplina é um hábito. Que se pode e deve adquirir e manter na nossa vida.
Junho, por aqui, será um mês dedicado a treinar a disciplina orçamental. A cumprir os limites que defini para este mês. A procurar estratégias e ferramentas que me ajudem a tornar-me mais disciplinada, mais focada nos meus objectivos.
Afinal se quero cumprir sonhos e objectivos tenho de lutar por eles. :-)
Que estratégias vocês utilizam para treinar a disciplinar orçamental?