quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O feitiço da lua / Sarah Addison Allen


Sinopse:
Emily Benedict vai para Mullaby, na Carolina do Norte, na esperança de pelo menos resolver alguns dos mistérios que rodeiam a vida da mãe. Porém, assim que Emily entra na casa onde a mãe cresceu e trava conhecimento com mo avô, cuja existência sempre desconhecera, descobre que os mistérios não se resolvem em Mullaby, são um modo de vida: o papel de parede muda de padrão para se adequar ao estado de espírito do ocupante do quarto, luzes inexplicáveis dançam pelo quintal à meia-noite e uma vizinha, Julia Winterson, cozinha esperança sob a forma de bolos, desejando não apenas satisfazer a gulodice da cidade mas também reacender o amor que receia ter perdido para sempre. Mas porque desencorajam todos a relação de Emily com o atraente e misterioso filho da família mais importante de Mullaby? Ela veio para a cidade a fim de obter respostas, mas tudo o que encontra são mais perguntas.
Um bolo de colibri poderá trazer de volta um amor perdido? Haverá mesmo um fantasma a dançar no quintal de Emily? As respostas não são o nunca o que esperamos, mas nesta pequena cidade de adoráveis desadaptados, o inesperado faz parte do dia-a-dia.

Na sua generalidade gostei. História simples e fácil de acompanhar.
No entanto, devo de confessar que não percebi o fim... Acho que havia mais para explorar. Ou então foi mesmo a minha burrice que esteve em alta. :-)

Dou 2 estrelas!!

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

In the mood for fashion... # 17





 
Sapatos-vela castanhos Rockport
Jeans azuis escuros Salsa
Camiseiro azul Saccor
Cardigan azul escuro Lanidor
Fio por As coisas da Filó

domingo, 10 de dezembro de 2017

Sunday’s afternoon...

Chuva e vento lá fora, sofá, manta nas pernas, filmes e séries com fartura na tv, chá quentinho, um livro ali mesmo ao lado pronto a ser lido nos intervalos dos filmes...
Just a perfect sunday afternoon!!!
De que precisamos mais para sermos felizes?

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

In the mood for fashion... # 16






Longsleeve vermelho escuro Modalfa
Cardigan vermelho Lanidor
Jeans azuis escuros Salsa
Sapatos-vela castanho Rockport

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Aquele momento... | parte 2

... fantástico em que descobres que a única mala que tens se estragou?
Acabou de acontecer!!
Isto está bonito, está!

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Sussurros Ousados / Emma Wildes


Sinopse:
Na sociedade do período da Regência, espera-se que as mulheres casem jovens, governem a casa e sejam vistas, não ouvidas. No entanto, estas senhoras dificilmente fazem o que se espera delas…
Lady Cecily Francis está resignada a tornar-se esposa de Lorde Drury, o homem por quem desconfia que a irmã nutre uma paixão secreta. Porém, depois do seu primeiro encontro escandaloso com o exótico conde de Augustine - o americano de quem toda a gente fala em surdina -, Cecily fica intrigada com a possibilidade de uma vida mais excitante. Se ao menos conseguisse arranjar maneira de casar com o pouco convencional conde…
É conhecido na cidade por Conde Selvagem. Embora tenha herdado o título de forma legítima - e, com ele, a responsabilidade pelas suas três meias-irmãs -, Augustine é meio-americano e meio-iroquês. Mal pode esperar para pôr em ordem o património do pai, casar as irmãs e regressar à sua terra natal. Até que a encantadora Lady Cecily o leva a considerar uma prolongada estada em Inglaterra…


Muitos consideram, ainda que erradamente, os romances um género literário menor.
Não podiam estar mais errados!!
Sejam romances, BD, jornais, revistas, policiais, diários, memórias... todos são literatura.
Com a leitura de qualquer um deles, as competências literárias são utilizadas e desenvolvidas. Com a leitura de qualquer um deles estamos a praticar a escrita. Estamos a aprender alguma palavra nova, algum conhecimento novo.
É por isso que volta e meia até num romance aprendemos uma lição de vida...

"(...) O camponês mais pobre ficar encantado com a abertura da primeira flor primaveral e o aristocrata mais rico pode amaldiçoar o dia em que nasceu por causa de uma ofensa insignificante à sua sensibilidade (...) Para alcançarmos a serenidade temos de ver a vida não como ela é medida pelo mundo à nossa volta, mas como nós próprios a medimos. Temos de aceitar que as balanças não são todas iguais (...)"

sábado, 2 de dezembro de 2017

in the mood for fashion... # 15





 
Sapatos-vela castanho Rockport
Jeans pretos Salsa
Longsleeve cinza
Cardigan preto Lanidor

Aquele momento...

... em que descobres que um dos dois pares de calças que tens está roto?
É maravilhoso não é? Só que não!!
Aconteceu-me ontem.
Podem imaginar a minha alegria (#soquenao).

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

in the mood for fashion... #14





 
Sapatos-vela castanhos Rockport
Jeans azuis escuros Salsa
Longsleeve branca Modalfa
Cardigan azul escuro Lanidor

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Frustrada!!!

E cansada!!!
É como me sinto!!!
Ao fim de dez anos a trabalhar, ao fim de dez anos a receber um ordenado e a geri-lo chego à brilhante conclusão que não sei gerir o meu dinheiro.
Pior!!! Não sei gastá-lo. :-(
Logo continuo a desperdiça-lo. Continuo a comprar coisas desnecessárias. continuo a comprar coisas que na loja gosto, mas imediatamente no momento em que chego a casa passo a detesta-las. Continuo a não ter dinheiro para o mês todo. Continuo a colocar mensalmente um valor na poupança e a ir constantemente buscá-lo. Continuo a não saber o que é ir às compras ou comer fora sem isso implica milhentas contas e ajustes de orçamento. Continuo a não saber o que é ir comer fora quando me apetece e a ter de guardar isso para as datas megas especiais. Continuo sem saber o que são férias a sério!! De passeio. De aproveitar para descansar, para conhecer o nosso país ou até o estrangeiro. Continuo a não saber fazer uma shopping list. Continuo a não saber definir prioridades. Continuo a não ver o fim da lista de compras... enfim... continuo a não gostar nada da forma como gasto o meu dinheiro.
E não é por falta de estudo na área, nem por falta de tentativas. Acho que nem o facto de receber pouco, ao fim de tantos anos, serve como desculpa. Pois já tive mais do que tempo para aprender.
Acho que é mesmo uma burrice minha!!
Eu não sei gerir e gastar dinheiro. Isto até poderia não ser um problema se eu fosse daquelas que são go with the flow. Vivem o dia e amanhã logo se vê. Contudo, financeiramente falando, eu não consigo ser assim. Não se isso se deve à falta de uma rede de segurança que me diga, avança que aconteça o que aconteceu estamos cá para ajudar. Não se isso se isso se deve só é apenas a medo.
Não sei...
Sei é que tenho sonhos (caros!) que quero cumprir e que com este modo de viver nunca o vou conseguir.
Sei é que já vai sendo altura de aprender, de uma vez por todas, a gerir o meu dinheiro.
De aprender a gasta-lo de uma forma ajuizada.
De aprender a definir prioridades.
De começar a poupar a sério!!!
Desculpem o desabafo!!!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Eu e a Black Friday


Eu nunca aproveitei a Black Friday!
Burra! - Dirão muitos. E certamente terão a sua razão.
Mas a verdade é que nunca me deu para aproveita-la. Outros anos por falta de dinheiro e de organização minhas.
Mas este ano até nem foi por falta de tentativas. Ainda este fim-de-semana fui ao Colombo pois preciso de roupa e vim de mãos a abanar.
A verdade é que dei por vários falsos descontos, achei que lojas como a Mango e a Zara, para além de parecerem uma autêntica feira com as pessoas quase a matarem-se umas às outras por causa de uma peça de roupa, se foram abastecer aos seus outlet e venderam em lojas normais essas coleções, deixando as coleções em vigor apenas para as lojas on-line.
Ora eu não concordo lá muito com essa política: acho que as lojas deviam privilegiar as lojas físicas e os clientes que a elas recorrem (até pelos postos de trabalho que representam). Mas enfim... o certo é que a mim isso desmotivou-me e acabei por não comprar nada.
Seja como for tenho pena que da mesma forma que importamos e adaptámos  esta tradição consumista americana a boa maneira portuguesa, devíamos igualmente ter adoptado e, isso sim, implementado o Feriado de Acção de Graças.
E não digo isso por causa de termos mais um feriado no ano, mas porque os portugueses PRECISAM urgentemente aprender a ser gratos!!!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

In the mood for fashion... #12

Creio que podemos dizer que o inverno chegou.
Apesar de chuva nem vê-la, o frio já se instalou em força.
Houve, portanto, que mudar a roupa a vestir.
Saíram para fora as malhas, os cardigans, os camiseiros... Mas as calças continuam as mesmas duas: umas pretas e uns jeans azuis escuros. Pelo que as combinações e variações possíveis limitam-se à parte superior.
Comecemos então...





Camiseiro risca camel Sacoor
Cardigan camel Lanidor
Jeans pretos Salsa
Sapatos vela castanhos Rockport
Trench coat creme Stradivarius
Mala camel Quebramar

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

O último beijo / Luanne Rice


Sinopse:
A força incomparável do verdadeiro amor numa história marcante de uma comunidade a braços com um mistério devastador e de uma mulher que recupera o amor que acreditava estar perdido para sempre.

Um jovem de dezoito anos sai de casa, numa noite de Verão, e é encontrado morto - assassinado - menos de vinte e quatro horas depois. As pessoas lamentam o trágico acontecimento, mas a vida contínua. Contudo, e se o jovem fosse o nosso filho? Ou o nosso verdadeiro amor?
Quase um ano após a morte do filho, a cantora e compositora Sheridan ainda não consegue tocar uma única nota. Refugiada na casa de praia, vive paredes-meias com as memórias e com uma dor demasiado profunda para partilhar com quem quer que seja. Nem tão poço consegue consolar a namorada de Charlie, Nell Kilvert. A jovem, por seu lado, não descansará enquanto não descobrir o que aconteceu de facto ao seu amor, decide, então, chamar alguém que vai mudar a vida de todos - a alma gémea de Sheridan, Gavin Dawson.
Num barco ao largo de Hubbard’s Point, Gavin observa a casa da mulher que sempre amou. Sheridan havia também, um dia, acreditado no poder do amor. Mas essa crença morreu com o filho…
Profundamente emotivo, O Último Beijo evoca o poder do passado para sarar os corações partidos, mas também para reabrir velhas feridas, numa inesquecível história de amor.


Definitivamente ando numa época em que as leituras que me dão mais prazer e me fazem esquecer os problemas da vida são os romances leves, de verão, simples, sem grandes histórias.
Este é mais um exemplo desses. Porque para difícil e problemática já temos a vida real!

Dou 3 estrelas!!

terça-feira, 7 de novembro de 2017

A princesa branca / Philippa Gregory


Sinopse:
Quando Henrique Tudor conquista a coroa de Inglaterra após a batalha de Bosworth, sabe que tem de se casar com a princesa da casa inimiga, Isabel de York, para unificar um país dividido pela guerra há duas décadas.
Mas a noiva ainda está apaixonada pelo seu inimigo morto, Ricardo III. A mãe de Isabel e metade de Inglaterra sonham com o herdeiro ausente, que a Rainha Branca enviou para o desconhecido. Embora a nova monarquia tome o poder, não consegue ganhar o coração de uma Inglaterra que espera o regresso triunfante da Casa de York.
O maior receio de Henrique é que um príncipe esteja escondido à espreita para reclamar o trono. Quando um jovem que quer ser rei conduz o seu exército e invade Inglaterra, Isabel tem de escolher entre o novo marido, por quem se começa a apaixonar, e o rapaz que afirma ser o seu amado e perdido irmão: a Rosa de York volta para casa finalmente.

Recentemente regressei à leitura dos romances históricos. E o escolhido recaiu sobre um dos títulos de uma das minhas autoras de romances históricos preferida: Philippa Gregory.
História com trama e acção bastante rápidas, sempre com novidades, sempre com algo a acontecer, acompanhamos a história do casamento de Isabel de York com Henrique Tudor de Inglaterra.
No entanto, no fim do livro ficamos com a sensação que ficou incompleto, que ficou algo para contar.
A dificultar ainda mais a tarefa temos uma revisão de texto muito mal feita e, consequentemente, muitos erros.

sábado, 4 de novembro de 2017

Imagem profissional / Rita Carvalho


Logo a seguir numa ida à livraria em busca de uma prenda dei de caras com este e teve de vir comigo. J
 
Sinopse:
Se aposta na sua formação académica e profissional, dedica todo o empenho às suas tarefas e projectos, dá atenção aos seus clientes e passa a maior parte do seu tempo no trabalho, então por que não investe também na sua imagem? E sabe que novos desafios surgiram com as inovações tecnológicas e o aumento da importância das redes sociais?
A realidade é que as pessoas formam até 90% da sua opinião ao fim dos primeiros 4 minutos, e que 60 a 80% do impacto que causa é de natureza não verbal.

Se está a iniciar a sua carreira, pretende saber o que usar numa entrevista de emprego ou quer melhorar a sua imagem profissional, então é essencial ter orientação nesta área. Este é um Guia Prático de Estilo Profissional, que aborda os vários contextos empresariais. As orientações e as recomendações deste livro são úteis e simples de aplicar no dia-a-dia. E não se esqueça que as pessoas não deviam julgá-lo pela sua aparência, mas é o que fazem. Sempre.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Dia Mundial da Poupança!!!


Hoje é o Dia Mundial da Poupança e mais do que nunca é importante relembrar a importância de poupar.
Não só no valor que colocamos religiosamente todos os meses na conta poupança, como também nos pequenos truques que usamos no dia-a-dia.
Aqui vão mais seis truques de poupança que eu uso com regularidade:
  • não fumo!!
recuso-me terminantemente a sustentar um vício que para além de fazer mal à saúde faz mal à carteira. Se fizermos a conta a um maço de tabaco por dia que custe 4€, só por não fumar já poupo anualmente: 4€x365= 1460€.
Portanto, quando dizem que não conseguem poupar aqui vai uma dica preciosa, para quem fuma: DEIXEM de fumar!!

  • home made manicure!
eu nunca fui a uma manicure. Gosto de andar com as mãos arranjadinhas, mas sempre tratei eu disso em casa. Há semanas que correm melhor, outras nem tanto. O truque é em semanas menos inspiradas usar uma cor mais suave, mais neutra que passe bem disfarçada. Se estivermos mais inspiradas, então optamos por uma cor que dê mais nas vistas.
Aqui outro truque de poupança que eu tenho é ter aberto no máximo três frasquinhos de verniz. Por norma, fico-me por dois: um rosa suave ou branco leitoso e um vermelho. Assim evito desperdícios pois o verniz não seca e não tenho de deitar produto fora.
  • prendas só nos anos!!!
cá em casa há já alguns anos que implementámos uma politica para prendas: prendas (daquelas cuja utilidade é muitas vezes questionável) ficam para os anos. Aí sim, damos alguma coisa que que a pessoa gosta, mais cara e muitas vezes fútil.
No resto do ano, Natal, Páscoa, Santos... damos sempre o que chamamos de prendas úteis, ou seja, algo que seja realmente útil para a pessoa em questão (roupa, calçado, conjuntos de banho...)
  • home made fast food!
volta e meia tenho uns "apetites" de porcarias. E nessas alturas, como forma de poupar a carteira e a saúde, desde há um bom tempo para cá optámos por começar a confecionar em casa a nossa fast food.
Assim sendo, volta e meia ao sábado à noite é dia hamburger bem ao estilo MacDonalds, mas em bom. Ao estilo gourmet!!! ;-)
  • usar tudo até ao fim!
cá em casa há já alguns anos que implementámos a obrigatoriedade de usar todas as embalagens até ao fim. Mesmo que não gostemos do produto. Isto porque sempre que comprávamos um hidratante de corpo, por exemplo, que não gostávamos, era posto de lado e íamos a correr comprar outro. Entretanto, o primeiro ficava encostado, eventualmente perdia e a validade e acabava no lixo. No fundo, deitávamos dinheiro fora.
Agora não! Mesmo que não gostemos do produto, gastamos até ao fim (caso o produto provoque alergia, como já aconteceu, vemos no nosso círculo de conhecidos a quem o podemos dar)
  • gastar menos do que ganho!
desde que comecei a receber ordenado que sempre tive a regra de gastar menos do que ganho. Por exemplo, se ganho 500€ gasto no máximo dos máximos 400€. O orçamento é feito segundo este valor. Isto porque se por algum motivo passar a ganhar menos (como aconteceu com a troika), é mais fácil reajustar os valores e nível de vida.

E vocês que truques usam?

sábado, 28 de outubro de 2017

Ninguém como tu / Anna Casanovas

Now reading..


Sinopse:
Ágata Martí tem vinte e seis anos, um trabalho mal pago e vive sozinha num apartamento em Barcelona. Numa manhã de Inverno, pouco depois do Natal, decide que chegou o momento de dar uma volta à sua vida... E a ideia de Guillermo, o irmão mais velho, de a mandar trabalhar para Londres, não é de modo algum despropositada. Gabriel Trevelyan, hoje um reputado jornalista em Londres, costumava refugiar-se em casa de Guillermo Martí nos períodos difíceis da sua infância. Por isso, quando o amigo lhe liga pedindo-lhe um favor muito especial, é incapaz de lhe dizer que não. Ágata e Gabriel voltam a encontrar-se após treze anos e ambos se dão conta de que as coisas não mudaram entre eles. Para ela, nunca existiu ninguém como Gabriel, o rapaz que a beijou pela primeira vez. Para ele nunca houve ninguém como Ágata, a única rapariga capaz de lhe chegar à alma. No entanto, Gabriel não confia no amor e Ágata não está disposta a conformar-se com menos.
 
Ainda estou no início, mas estou a gostar. Parece-me mais um daqueles romances leves e simples de ler. Ideais para férias. Ideais para relaxar ao fim do dia. 

domingo, 22 de outubro de 2017

Wishlist...

Como (boa!) mulher que sou tenho uma vasta wishlist!
Como fã do Pai Natal que sou, lembrei-me de começar a escrever a carta anual que lhe todos os anos lhe escrevo. Pode ser que pingue alguma coisa no sapatinho. :-D
Comecemos então...
... e começamos muito bem.
Com a icónica 2.55 by Mademoiselle Coco Chanel, uma mulher do século à frente do tempo em que vivia. Com um sentido de estilo incomparável e que sabia o que a mulher precisava para se sentir bem e bonita.
Esta é uma mala clássica e de corte simples que não sai de moda. Intemporal.
Um dos meus sonhos consumistas...

Constatação do dia...

A Zara está feita uma autêntica feira!
Credo!!!
Tudo desarrumado, só peças tendência, encontrar peças simples e básicas é uma autêntica aventura, relação qualidade/preço pouco convidativa.
Jesus!!!

sábado, 21 de outubro de 2017

Farta!!!

Diz o IPMA que este fim-de-semana o calor está de volta. Voltam os 30 graus. Voltam os incêndios. E assim sendo estamos novamente em alerta amarelo.
No que me toca estou FARTA deste calor excessivo!! Farta das t-shirts, dos tops... Farta do desconforto que o calor me provoca.
Mas sobretudo FARTA de acordar com a notícia que morreram mais pessoas em incêndios. Que famílias ficaram destruídas, sem casa, sem meio de subsistência, que temos o país pintado de negro... FARTA deste terrorismo!!!
Já sinto saudades da chuva a bater lá fora e eu no sofá a ver um filme, com uma mantinha nas pernas. Dos lanches de domingo compostos por panquecas e um chá bem quentinho. Do ar frio pela manhã. Dos lençóis polares na cama. Dos cachecóis e gorros. Das malhas quentinhas.


quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Viver com intolerâncias alimentares...


Sofrer de uma condição médica, seja ela qual for, é sempre algo complicado.
Por aqui, entre outros problemas, sofremos de intolerância à lactose. :-(
Não sendo incapacitante é algo que condiciona (e muito!) o nosso dia-a-dia.
É algo chato, que pede cuidados alimentares (sob pena dos efeitos que possamos sofrer).
É algo com que nem sempre é fácil de lidar.
É algo que os outros nem sempre entendem.
É algo que muitas vezes a sociedade condena, sem tentar perceber o que está por trás disso.
Ao contrário do que muitos pensam (incluindo médicos) ser intolerante à lactose não é uma moda. Não é uma mania. Não é uma pancada.
É uma condição médica, com sintomas próprios, bem definidos e característicos. Com diagnóstico e exames médicos próprios. Com medicação própria.
No meu caso, o diagnóstico aconteceu já tarde. Há coisa de três anos, quando o meu corpo começou a dar sinais de alergia. Ou seja, já num estado bastante avançado. Dado que eu sofro desta condição desde que nasci. Mas há 30 anos atrás era apenas prisão de ventre herdada da família. Não se falava de lactose e muito menos de intolerância.
Hoje em dia é muitas vezes vista como uma moda ou mania para emagrecer. Mas para quem sofre desta condição não é pancada nenhuma. Os sintomas são bem reais e uma simples ida ao café para comer um bolo ou um gelado pode significar o resto do dia doente.
Em casa é necessário adaptar a alimentação da família, substituir produtos (que muitas vezes são mais caros!).
Comer fora passa a ser precedido de tomar a medicação, que apenas vai ajudar a minimizar os danos.
É necessário fazer um controlo frequente de valores como o cálcio. Porque digam o que disserem o leite é a nossa maior fonte de proteína e privar o nosso organismo dela pode trazer consequências sérias.).
Por isso se desconfiam de alguma coisa falem com o vosso médico. Peçam para fazerem o exame de hidrogénio. É simples, indolor e barato (eu paguei 0.35€ por ele num hospital público). Peçam para serem avaliados por um gastroenterologista. Ele saberá responder a todas as vossas questões.
Façam as coisas como devem ser. Levem o problema a sério, porque apesar de parecer algo simples e uma forma rápida de emagrecer, na verdade ele esconde segredos.
E se no vosso círculo de amigos, familiares e conhecidos tiverem alguém que sofra desta condição, respeitem. Porque para quem sofre não é fácil ir à esplanada confraternizar com os amigos e comer um gelado e passar o resto do dia doente.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

:-(

Sem palavras para o dia de hoje!


Triste, muito triste é como me sinto!
Como é possível haver tanta maldade no ser humano?

domingo, 15 de outubro de 2017

In the mood for fashion... # 11

Hoje de manhã foi assim...





Hoje a manhã foi passada a percorrer a Ponte Vasco da Gama e a participar, mais uma vez, na mini maratona de Lisboa. Correu tudo bem, o tempo esteve fantástico (talvez um pouco de calor a mais!), o ambiente por lá muito animado.
No entanto, este ano, e pela primeira vez, tenho críticas a fazer à organização:
  1. ontem, para levantar os dorsais, foi horrível. Local minúsculo, muitas gente, mais de uma hora de espera na fila (debaixo de um calor horroroso!), às 15h já não havia todos os tamanhos de t-shirt.
  2. apesar de também pagarmos, o pessoal da mini é tratado de forma diferente: a t-shirt não é técnica, não tivemos direito a fruta e barritas no final, o gelado era um Calipo (que apenas faz mais sede!), este ano terminámos num sítio diferente da meia e da maratona (e segundo soube estes no final tiveram à espera muitas surpresas boas!!), a partida foi atrasada.
  3. não existe um cariz solidário- por exemplo, na corrida do Montepio (que acontecerá nos próximos dias!!) pagamos apenas 5€ pela inscrição e temos direito a uma t-shirt técnica, as ofertas incluem fruta e barrinhas e o valor pago vai integralmente para ajudar uma organização de solidariedade social.
No entanto, também houve coisas positivas e o truque de colocarem como último horário para os autocarros às 9h funcionou na perfeição. Pois ainda antes das 10h já estavam todos os participantes no local de partida (já houve anos em que já a partida tinha acontecido e ainda andavam a transportar participantes!).
Seja como for, era interessante a organização rever uns quantos pontos e deixar de ver apenas o possível lucro à frente. Falamos de uma corrida onde participam pessoas de todo o mundo e falam de nós e, sem dúvida, que não estamos a dar a melhor imagem na organização deste tipo de eventos.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Aurora boreal / Asa Larsson


Sinopse:
O corpo de Viktor Strandgård, o pregador mais famoso da Suécia, jaz mutilado numa remota igreja de Kiruna, uma cidade do Norte submersa na eterna noite polar. A irmã da vítima encontrou o cadáver, e a sombra da suspeita paira sobre ela. Desesperada, pede ajuda à sua amiga de adolescência, a advogada Rebecka Martinsson, que vive em Estocolmo e regressa à sua cidade natal disposta a descobrir quem é o culpado. No decurso da investigação conta apenas com a cumplicidade de Anna-Maria Mella, uma inteligente e peculiar polícia grávida. Em Kiruna, muita gente tem algo a ocultar e a neve não tardará a tingir-se de sangue.
A protagonista, Rebecka Martinsson, uma advogada que trabalha com a inspectora mais competente da brigada de Kiruna, Anna-Maria Mella. Um dos poucos casos na literatura policial onde as principais protagonistas são mulheres.
A atmosfera de Kiruna envolve-nos por completo. Kiruna é uma povoação rural extremamente fria, onde durante seis meses ao ano fica envolvida pela obscuridade e o efeito que este frio e esta obscuridade tem nas personagens são descritos de forma fascinante.
A grande dose de suspense que nos oferece o argumento do livro, aumentado pelo solitário e frio da paisagem.
Uma escrita muito especial, enigmática e sugestiva.
 
Este é o primeiro livro desta autora que estou a ler e estou a gostar bastante!
 
Dou 3 estrelas!!!

domingo, 8 de outubro de 2017

A parisiense / Ines de la Fressange


O segundo passo que dei foi, essencialmente, estudar, estudar, estudar…
Ler artigos na net, ler blogs, ver filmes de youtube… enfim, recolher o máximo de informação possível que me pudesse ajudar nesta cruzada.
Claro, que tive a companhia inestimável dos meus adorados livros. Eles, como sempre, foram uma fonte inestimável e inesgotável de informação.
O primeiro livro que li foi…
Sinopse:
A Bíblia para viver segundo o chique parisiense. A célebre modelo Inès de la Fressange partilha com a leitora o segredo tão bem guardado das parisienses: um glamour descontraído. O ícone do chique francês dá-nos as suas dicas para viver com estilo e encanto. Fala especificamente dos códigos de moda para se vestir como uma parisiense, incluindo como usar básicos acessíveis com toques de alta costura, acessórios e maquilhagem. Não se esquece de oferecer dicas para todas as ocasiões.

O seu guia de "coisas a fazer" e "coisas proibidas" é acompanhado por fotografias e ilustrações da própria autora. Todo o design do livro é juvenil, original, atual e sofisticado. Inès ensina ainda a levar o chique parisiense para o interior de casa, na decoração das divisões, no acolhimento de amigos, e até para o escritório.

sábado, 23 de setembro de 2017

Welcome autumn!!!

É oficial!!! O verão terminou!!
Terminou a silly season, a época da praia, das férias grandes (que não tive este ano!!! ;-) ), da bola de berlim, dos dias quentes e, muitas vezes, sufocantes mesmo, dos dias longos e quase intermináveis...
Em contrapartida chegou o outono. A época das folhas, dos castanhos e tons terra, dos recomeços e regressos...
Por aqui a chegada do outono e do último trimestre significa igualmente começar a encerrar este ano e a preparar o próximo.
Confesso que este ano iniciei este processo mais cedo do que é normal, mas depois de um ano tão heterogéneo senti a necessidade de parar e respirar. Senti que devia rever muita coisa, desde a organização pessoal, financeira aos objetivos, ao futuro próximo e longínquo.
Confesso que a mudança de trabalho e o facto de estar atolada em trabalho, o não ter tido férias, as novas funções, a aprendizagem... ainda não tive grande tempo para parar. Para assimilar tudo o que me tem acontecido, de bom e de mau.
Assim decidi que os últimos três meses do ano serão sem agenda. Serão de reflexão. De reorganização.
Apenas acompanhada de um simples caderno preto. Porque sou uma pessoa de papel, que precisa de escrever para limpar a mente, para se organizar.
Por isso... sê bem-vindo outono!!!

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Nova Peixaria


Em jeito de comemoração pelo novo trabalho, no fim de Julho fui com a minha irmã experimentar o fishbar Nova Peixaria, em Odivelas.
E foi uma DESILUSÃO completa!!! Não gostámos mesmo nada!!
Começou logo na entrada, quando apesar de serem 20h de uma sexta-feira, damos com um restaurante completamente vazio, numa zona onde à volta os outros restaurantes estavam à pinha.
Logo aí devíamos ter percebido os sinais e dar meia-volta e escolher outro restaurante. Mas não! Teimosas como tudo e depois de termos visto inúmeras criticas positivas ao conceito lá fomos.
Então foi assim:
  • espetaram com as entradas à nossa frente sem perguntar se estávamos interessadas (odeio quando fazem isso!!). No nosso caso deu-se o caso de não gostarmos de nenhuma e tiveram de recolhê-las.
  • come-se pelos olhos - as fotos dos cardápios são lindas mas não correspondem à realidade;
  • as doses são mini-doses - ficamos com fome!!
  • a comida não foi feita na hora, veio requentada. E ainda mal confecionada com o salmão e o frango a estarem ali no limite do mal passado. Nem sequer tinha marcas de grelhador.
  • os legumes vêm em nacos gigantes, desiguais e mal cozinhados
  • a comida não tem qualquer sabor;
  • funcionários pouco simpáticos.
A nível positivo destacamos apenas:
  • a limonada;
  • a decoração do espaço;
  • e o cheesecake de frutos vermelhos.
Este é certamente um sítio que tão cedo não terá novamente uma visita nossa. Para terem uma ideia quando saímos vínhamos com tal fome que estivemos prestes a ir jantar (novamente) à pizzaria que fica em frente.
Não deixa, no entanto, de haver a reportagem fotográfica...