terça-feira, 18 de julho de 2017

Poupada ou forreta?


Lá em casa sou conhecida como forreta. Ou seja, aquela pessoa que deixa de fazer as coisas só para não gastar dinheiro. No entanto, eu acho que sou é poupada. Eu não tenho problema nenhum em gastar dinheiro. Eu não deixo de sair, ir comer fora, passear, divertir-me só porque isso implica gastar dinheiro.

O que eu faço é opções: se posso ir ao cinema por 5€, por exemplo, não vou gastar 10€. Se posso comprar um pacote de gomas ou pipocas por 1€, não vou comprar o menu de quase 5€. Se posso ir a um restaurante por 15€ (com um voucher, por exemplo), não vou pagar 30€.

No que toca a gastar dinheiro, eu gosto de usar o que chamo de inteligência financeira. Ou seja, apostar na boa relação preço/qualidade. Ter mais, pelo menor preço, até porque isso muitas vezes permite fazer mais coisas. Passear mais, ir mais vezes comer fora, ir mais ao cinema, comprar mais roupa…

Por outro lado, eu não sei regatear.

Sou capaz de andar meses a pesquisar algo, sobretudo quando é (muito!) caro e depois aproveitar uma promoção para o comprar, mas regatear não é comigo (sei que perco muitas oportunidades de negócio mas a minha timidez ainda não me “deixou” regatear).

Foi o que aconteceu, por exemplo, com a máquina fotográfica. Andei mais de um ano em pesquisas: qual o modelo que mais se adequava às minhas necessidades? Qual a marca mais indicada? Que funcionalidades deveria ter? Que acessórios deveria comprar?

Estudei muito sobre fotografia e máquinas fotográficas. Até que encontrei o que precisava. Depois foram meses e meses atrás da melhor promoção. Acabei por comprá-la na Worten e para além de um preço mais amigável já trazia um conjunto de acessórios que eu precisava comprar, como a lente, a tampa da lente, a correia, a bolsa de transporte, etc. Com a diferença de valores consegui ainda comprar o resto dos acessórios que precisava: filtro, tripé, etc. Resultado: com o preço original da máquina, comprei a máquina (já com lente) e todos os acessórios que precisava, poupando assim o valor que daria pelos acessórios.

Por outro lado, se preciso mesmo de alguma coisa e sei que se pagando mais caro, vou ter mais qualidade (logo, o produto vai durar mais tempo), não tenho qualquer tipo de problema em pagar o valor.

Vejamos o caso dos jeans: eu só compro jeans Salsa e porquê? Apesar de serem consideravelmente mais caros que Zaras, Bershkas e afins são de uma qualidade superior. Duram muito mais tempo. Anos e anos. Além que são os que melhor me assentam no corpo. Já experimentei outras marcas igualmente caras, tipo Levis, mas não gostei. Encolheram, ficaram ruças num instante (eram pretas) ao contrário do que aconteceu com uns jeans igualmente pretos, mas da Salsa e bem mais antigos, mas até hoje nada ruços. Não acho que valham o valor que lhe dão.

Outro exemplo: os camiseiros. Há anos que eu só compro camiseiros Sacoor. São caros é certo, mas com as promoções de 60% compramos um camiseiro de uma qualidade superior, pelo preço inferior ao de um camiseiro da Zara em época normal (este é o grande truque para comprar nesta loja!). Porque são camiseiros clássicos que nunca saem de moda. Porque dão para o verão e para o inverno (logo podemos comprar nos saldos de verão para usar no inverno). Porque são muito fáceis de passar a ferro. Porque têm outlets que valem mesmo a pena.

Agora pergunto isto faz de mim: poupada ou forreta?

4 comentários:

  1. Concordo contigo plenamente, e sim tb sou assim, os meus filhos "gozam" comigo pk qq coisa "melhorzinha" que compre e digo q estava em promoção eles dizem "pois só podia estar em promoção" mas o certo é q eles vem a mãe agora e de certeza que mais tarde irão fazer o mesmo.

    jokas
    mae_qb

    ResponderEliminar
  2. Praticamente me revi neste texto... apenas não uso jeans :) Considero-me poupada mas igualmente gastadora porque não deixo de fazer o que gosto apenas com opções mais em conta.
    Boas poupanças

    ResponderEliminar