terça-feira, 15 de maio de 2018

Viver com pouco # 9 - Lazer


Uma rubrica que se descontrola facilmente, pelo menos para mim, é a do lazer.
E porquê?
Simples! É a rubrica que diz respeito ao gozar da vida: passeios, férias, comer fora...
E como é óbvio TODOS queremos gozar a vida! Vivê-la ao máximo!
No entanto, muitas vezes isso significa rombo no orçamento.
No entanto, isso não quer dizer (nem sou muito apologista disso até porque já o experimentei e não resolve rigorosamente nada! Apenas nos complica com os nervos!) que tenhamos de cortar a diversão por completo do nosso orçamento. Da nossa vida.
Significa apenas que temos de escolher melhor a forma como nos divertirmos.
Porquê pagar 10€ por um bilhete se podemos pagar 5€?
Porquê ir uma vez por mês ao cinema se podemos ir duas?
Porque não optar por ir a eventos gratuitos proporcionados pela Câmara Municipal da nossa cidade?
Porque não fazer jantares comunitários com os nossos amigos em vez de ir aos restaurantes?
É este tipo de questões que temos de nos colocar!
E deixar uma margem no orçamento para vivermos a vida é super importante.
Eu, no meu orçamento minimalista, contemplo 25% para as despesas variáveis, como a roupa, prendas, exames médicos e o lazer. O jantar com os amigos, o geladito, o bolito...
E tenho-me dado bem com esta fórmula.
E vocês como fazem para viverem a vida?

2 comentários:

  1. O entretenimento também é um dos meus grandes problemas, sobretudo porque a maior parte das coisas de que gosto (livros, audiobooks, comics, jogos, etc.) não são baratas. :)

    Pior, tenho (e isto já vem de há décadas) o péssimo hábito de, quando sinto falta de X (ex. ler), comprar mais X (ex. livros)-- quando muitas vezes o problema não é falta de livros propriamente ditos (tenho uma "biblioteca" de centenas por ler, tanto em árvores mortas como em ebooks), mas sim de *tempo*. :( Mas ando a tentar contrariar esse hábito -- não só porque prazeres momentâneos ("tenho um livro novo! hmm, talvez o consiga ler daqui a uns meses...") não trazem felicidade duradoura, como porque o problema real é sempre a falta de tempo, e isso só se resolverá, um dia, com a... (digam todos comigo) independência financeira.

    Aliás, é isto que actualmente impede muitos dos meus gastos ("este jogo parece fascinante... mas quando é que teria tempo para o jogar? Pois é... :("). Além de que sou dos poucos portugueses que não tem mesmo o hábito de "ir ao café"; posso ir se me convidam, mas não o faço no dia-a-dia.

    Do que vi dos teus posts antigos, já fazes muito do que é certo: usas a biblioteca, e planeias as despesas de forma a evitar compras impulsivas. E as várias outras sugestões neste post são, sem dúvida, boas ideias. :) Acrescentaria, talvez (não sei se tens amigos com gostos compatíveis) a partilha de livros (e possivelmente DVDs) entre amigos; eu normalmente não o faço por ter gostos menos comuns (além da tal "fila de espera" de centenas de livros por ler), mas para a maioria das pessoas parece-me ser boa ideia. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vida também é para ser vivida. Temos é de fazer opções que combinem com o nosso gosto e a nossa carteira. :-)

      Eliminar