quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

Mealheiro Literário 2020


Faltam poucas horas para terminar 2020. É hora de balanços!
Este foi um ano diferente.
Afinal, vivemos uma pandemia que nos trouxe uma nova realidade.
Este ano pela primeira vez na vida (e porque a minha fonte de literatura esteve mais de 2 meses encerrada!) gastei dinheiro em livros para o lazer.
Já por aqui referi que apesar de ser uma leitora ávida, me recuso a gastar dinheiro em livros de lazer. Em livros que apenas leio uma vez. Para isso recorro sempre à biblioteca da minha cidade.
No entanto, com estes maravilhosos equipamentos encerrados, tive de recorrer à compra.

Vamos então aos números…

Biblioteca:
  1. Ritual de amor - 16,90€
  2. Uma casa de campo - 15,90€
  3. Como vento selvagem - 17,70€
  4. Caffé  Amore - 12,90€
  5. O homem que perseguia a sua sombra - 20,90€
Total poupado - 84.30€

Compra:
  1. Casamento em Veneza (Encontra-me em Itália - 20,90€)
  2. Viagem a Capri
  3. Regresso a Itália
  4. O filho pródigo -16,60€
  5. A fonte silenciosa - 15.90€
  6. A noiva - 15,90€
  7. Construir um amor (Histórias escolhidas - 19,90€)
  8. Uma luz na tempestade
  9. O homem dos meus sonhos
  10. A rapariga nova - 17,91€
  11. Sete guardanapos - 16,50€
  12. És capaz de guardar um segredo? - 16,90€
  13. A praia das pétalas de rosa - 17,70€
  14. Crie alegria no seu trabalho - 12.96€
  15. Lição de Tango - 15,93€
  16. Cinco dias de vida - 17,50€
Total gasto - 204.61€

Feitas as contas se retirarmos o valor que poupei nos primeiros meses porque consegui ir à biblioteca gastei 120.31€. 
No entanto, o valor real gasto foi muito inferior, pois tirando o livro da Marie Kondo e o livro do Daniel Silva todos os outros livros foram comprados recorrendo a um conjunto de estratégias de poupança.
E vocês como fizeram?

Nota: o valores apresentados foram retirados da Wook.
    .

Em Dezembro...

 


  • Tem sido uma luta para ser produtiva quando estou em casa. No primeiro confinamento foi fácil mas agora...;
  • Renovámos a decoração natalícia por completo;
  • Começou este mês um ano de muito, mas mesmo muito trabalho;
  • Vi, depois de muitos anos, a minha cidade voltar a engalanar-se para receber o Natal;
  • Houve uma sushizada em família;
  • Deu para cumprir as tradições natalícias de fazer a árvore de Natal, o calendário do advento, etc.;
  • Visitámos a sobrinha do coração;
  • O Natal e o Ano Novo foram em casa. Viva a festa do Pijama!!!
  • Houve 18 dias de 0€.

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Em Novembro...

 


  • regressei ao horário desfasado;
  • perdemos a conta às ruturas na rede de água da nossa rua. Nem vos digo o transtorno que foi;
  • as prendas de Natal estão despachadas;
  • Comemorou-se o Halloween em casa como se quer;
  • Regressámos ao Estado de Emergência e ao confinamento (muito obrigada aos portugueses mega responsáveis. Está tudo farto disto, mas cumprir as regras que podem acabar com isto está quieto!);
  • dediquei-me ao destralhe e arrumações;
  • Foi mês de subsídio de Natal;
  • Comecei a preparar 2021;
  • Houve folga extra por causa do feriado municipal;
  • Tive 21 dias de 0€.
Foi um mês muito caseiro...

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Crie alegria no seu trabalho | Marie Kondo


 

Sinopse:

A autora do bestseller mundial Arrume a Sua CasaArrume a Sua Vida junta-se a um psicólogo das organizações para lhe revelar um método infalível de organizar o seu ambiente de trabalho e lhe trazer prosperidade, realização pessoal e alegria.

O local de trabalho é um verdadeiro íman de desarrumação: desde a mesa atafulhada de material desnecessário e pilhas de papel, até aos ecrãs cheios de pastas inúteis e atalhos que não vão dar a lado nenhum… para não falar desse quarto dos arrumos caótico que é a caixa de e-mail! Se acrescentarmos a isso a desarrumação mental que advém de tarefas sem sentido e reuniões sem propósito, não é de admirar que cheguemos ao fim (ou ao meio!) do dia de trabalho sem um pingo de energia.

Porque é assim? Será uma utopia pensar que o ambiente de trabalho pode ser uma fonte de alegria?

Marie Kondo, a guru da arrumação de renome mundial, junta-se ao catedrático de Gestão e Comportamento Organizacional Scott Sonenshein para lhe mostrar como fazer dessa utopia uma realidade. Partilhando histórias, casos de estudo e estratégias simples e práticas, ensinam como qualquer um pode eliminar aquilo que está a mais e criar espaço para um trabalho que realmente importa.

Recorrendo ao famoso Método KonMari, de eficácia testada em dezenas de milhões de lares em todo o mundo, e à mais recente investigação científica, Crie Alegria no Seu Trabalho vai ajudá-lo a ultrapassar os desafios da desorganização no local de trabalho e a desfrutar da alegria e da prosperidade que resultam de ter uma mesa - e uma mente! - limpas e organizadas.


A minha opinião...

Desde que li pela primeira vez o livro Arrume a sua casa, arrume a sua vida, que este livro se tornou numa Bíblia da arrumação e organização para mim. 

Ao longo dos últimos anos tenho implementado o método KonMarie na minha vida e ao nível da arrumação tenho notado uma grande evolução. Tenho hoje menos coisas. As coisas que me dão verdadeira alegria. 

Por isso, quando durante as férias vi na montra de uma livraria o novo livro da autora não hesitei e comprei-o logo. Ainda durante as férias devorei-o em 2 dias e quando regressei ao trabalho tratei de implementar as sugestões dela. 

Não que fosse muito acumuladora, mas mesmo assim vi notórias diferenças na minha secretária. Entretanto, já o reli mais duas vezes e aprendi sempre alguma coisa nova para implementar.

Dou 5 estrelas!!

Recomendo mesmo muito!!

terça-feira, 24 de novembro de 2020

diário financeiro # 2: Você está aqui!


 

Sabem quando olham para um mapa à procura de direções e encontram sempre um sinal que diz: Você está aqui!?

Pois bem foi numa situação destas que tive uma epifania financeira: e se nós víssemos a vida como um mapa cheio de hipóteses (caminhos) para chegar ao nosso destino (objetivos financeiros)?

Assim seguindo esta lógica um dos primeiros passos que temos de dar é reconhecer onde estamos.

E este foi o primeiro exercício que fiz: uma avaliação profunda de como está a minha vida financeira, quais são as minhas despesas atuais, as minhas necessidades, como vai o meu desperdício, como vai poupança, como é atualmente o meu lifestyle...

Isto levou-me a refletir sobre o que eu  havia idealizado, o que consegui e o que eu quero para o meu futuro.

E um truque que eu usei foi colocar tudo no papel. Assim torna a coisa mais realista.

Outra coisa que eu fiz foi permitir dar-me tempo. Tempo para parar, tempo para refletir, tempo para aceitar, tempo para experimentar, tempo para mudar... E está tudo bem levar o meu tempo. É normal.

Tudo tem o seu tempo para acontecer. Da mesma forma que está tudo bem mudar. Avançar e retroceder. É normal. Significa que evoluímos. Que aprendemos. Que crescemos.

E tem sido assim que tenho vindo a criar o primeiro capítulo do meu diário financeiro. Inteiramente dedicado à avaliação da minha vida. 

Não é nada definitivo. Está sempre em atualização. Por isso anda sempre comigo. :-)



sexta-feira, 13 de novembro de 2020

A praia das pétalas de rosa | Dorothy Koomson


 

Sinopse:

Todas as histórias de amor sofrem reviravoltas.

Depois de quinze anos de um grande amor e um casamento perfeito, Scott, marido de Tamia, é acusado de algo impensável.

De repente, tudo aquilo em que Tamia acreditava - amizade, família, amor e intimidade - parece não ter qualquer valor. Ela não sabe em quem confiar, nem sonha o que o futuro lhe reserva.

Então, uma estranha chega à cidade, para lançar pétalas de rosas ao mar, em memória de alguém muito querido e há muito perdido. Esta mulher transporta consigo verdades chocantes que transformarão as vidas de todos, incluindo Tamia que será obrigada a fazer a mais dolorosa das escolhas…

O que estaria disposta a fazer para salvar a sua família?


A minha opinião...

Eu tenho uma relação de amor-ódio com esta autora. Se por um lado adoro os seus livros, porque são muito reais, por outro odeio porque a grande maioria das vezes são histórias com uma grande carga dramática.

Como já aqui referi que uso a leitura como forma de aprendizagem e lazer. Para mim ler é esquecer por momentos os problemas da vida. Ora livros com uma grande carga dramática têm muitas vezes o condão de me pôr a pensar ainda mais nos problemas. Daí eu preferir aventura, ação, romance, comédia.

Mas ao mesmo tempo considero estes livros úteis para nos fazerem descer à terra.

E vocês gostam deste tipo de livros?

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

És capaz de guardar um segredo? | Sophie Kinsella


 

Sinopse:

"Emma é uma rapariga como outra qualquer.
Tem os seus pequenos segredos...

Emma esconde;

Da mãe:
- "Perdi a virgindade no quarto de hóspedes, com o Danny Nussbaum, enquanto a minha mãe e o meu pai estavam no andar de baixo a ver o Ben Hur."

Do namorado: - "Peso 59 quilos em vez de 53, como pensa o meu namorado."

Das Colegas:
- "Fui eu quem encravou a fotocopiadora, naquele dia. E em todos os outros também.";

Segredos que não partilha com mais ninguém neste mundo...
- "As cuecas de fio dental magoam-me";
- "Falsifiquei a nota de matemática no meu CV"

... até ao dia em que os confessa tudo a um estranho num avião. Pelo menos, pensava que era um estranho...!"


A minha opinião...

Acompanhar as aventuras da Emma é simplesmente hilariante! 

Tudo acontece àquela rapariga. Até parece bruxedo! :-) :-)

Livro de leitura fácil e simples foi uma das minhas companhias nas férias de verão.

Dou 3 estrelas!!


segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Sete guardanapos | Zara Raheem


 

Sinopse:

Leila adora os pais mas sente uma dificuldade crescente em aceitar as exigências deles. Embora vivam nos Estados Unidos, os seus pais mantêm-se fiéis aos costumes da sua Índia natal. E ambos consideram que já foram demasiado modernos com a filha… agora que Leila fez 26 anos, não querem que ela se arrisque a ficar para tia.

Leila, por seu lado, sonha em encontrar o tal e tem uma criteriosa lista de atributos e qualidades que o namorado perfeito terá de possuir. Não está disposta a ficar com qualquer um!
O problema é que os pais lhe fizeram um ultimato: Leila tem 3 meses (apenas!) para encontrar o amor, senão terá mesmo de se submeter a um casamento arranjado…

No seu desespero, ela vai tentar de tudo: deste o speed dating (valha-nos Deus!) aos encontros às cegas (só podia estar cega, mesmo!), sempre em vão… Mas o tempo escasseia! Terá ela expectativas demasiado altas? O que será de si se o homem perfeito não aparecer?

Ao longo do seu inspirador (e hilariante!) percurso, repleto de momentos constrangedores, aventuras para esquecer e dissabores, Leila vai descobrir muito sobre si mesma, sobre o amor, e sobre as coisas pelas quais vale mesmo a pena lutar…


A minha opinião...

Se querem rir e descontrair da rotina do dia-a-dia e esquecer por um bocado os problemas, este é um excelente livro. 

As aventuras da personagem principal são simplesmente desconcertantes e, muitas vezes, inacreditáveis, mas encerram na sua essência uma lição de vida muito importante.

Aconselho a sua leitura!!


sábado, 7 de novembro de 2020

A rapariga nova | Daniel Silva


 Sinopse:

Ora a vês, ora não a vês.
A rapariga nova, um thriller novo em que o engano, a traição e a vingança andam de mão dada.

Num elitista colégio particular suíço, o mistério rodeia a identidade de uma rapariga de cabelo preto que chega todas as manhãs acompanhada por uma escolta digna de um chefe de Estado. Na verdade, o seu pai é Khalid bin Mohammed, o difamado príncipe herdeiro da Arábia Saudita. E, quando a sua única filha é sequestrada, recorre ao único homem capaz de a encontrar antes que seja tarde demais.

O que está feito, não pode ser desfeito…

Gabriel Allon, o lendário chefe dos serviços secretos israelitas considera Khalid um colaborador valioso, mas do qual não se fia, na guerra contra o terror. O príncipe comprometeu-se a quebrar o vínculo estreito que une a Arábia Saudita com o Islamismo radical. Juntos vão arquitetar uma aliança precária numa guerra secreta pelo controlo do Médio Oriente. Ambos os homens têm numerosos inimigos. E ambos têm tudo a perder. Do autor mais vendido do The New York Times, chega-nos um magnífico thriller novo de engano, traição e vingança.

A minha opinião...

Mais um livro de Daniel Silva. Mais uma aventura de Gabriel Allon. Mais uma história cheia de aventura e ação. 

Eu, simplesmente, adoro os livros deste autor. Sempre inovador, mas sempre atual. O problema do Médio Oriente está na base desta história que nos leva a viajar a países tão diferentes como a Suíça ou Arabia Saudita. Numa narrativa rápida e sem grandes rodeios, muitas vezes a crueldade das descrições surpreende-nos, mas ao mesmo mantém-nos interessados e atentos à história

Dou 4 estrelas!!!

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Adaptações em curso...


 Voltei ao horário de trabalho desfasado. :-(

Obrigada COVID-19! Obrigada pessoas que teimam em não cumprir as indicações para travar esta pandemia!

Assim sendo, temos uma nova realidade laboral. E não podia vir na pior altura. O trabalho vai disparar e trabalhar de forma presencial e em equipa era mais importante que nunca. 

Mas quando temos milhares de pessoas que se juntam para ver ondas, quando há uma proibição de ajuntamentos superiores a 5 pessoas, não podemos esperar milagres. Não podemos esperar que esta pandemia saia da nossa vida tão cedo. Não podemos esperar que não voltemos ao confinamento.

Assim, tive de me readaptar a esta nova rotina. Mas confesso que está a ser mais difícil do que da outra vez. :-(

Na primeira semana com este horário pouco ou nada consegui trabalhar em casa. Sempre que me sentava para trabalhar sentia-me ansiosa, assoberbada com o que tinha de fazer. Não me conseguia concentrar.

Com o início da segunda semana percebi que não podia continuar assim. 

Então revi conceitos, vi vídeos do Youtube, li artigos e hoje sentei-me para me reorganizar e preparar o que aí vem. Afinal de contas, não há previsão para fim desta situação e o trabalho acumula-se.

Então o que fiz?

Permiti-me um tempo para assimilar e aceitar esta situação.

Comecei por dar um bom destralhe nos papéis que tinha no trabalho, limpei a secretária a fundo e reorganizei o que lá tinha.

Depois dei também um bom destralhe nos papéis que tinha em casa.

Criei um arquivo de trabalho para manter no gabinete e outro igual para ter em casa, para me auxiliar enquanto esta situação se mantiver.

Reorganizei a minha agenda e listas.

O objectivo final é só trabalhar quando estiver ao serviço. Vamos ver se consigo...


sábado, 31 de outubro de 2020

Feliz Dia Mundial da Poupança!


Cá estou eu com as sugestões de poupança para este ano:
  1. ter um hobby que nos consume o fim de semana - deixamos de ter tempo para ir a shoppings, para pensar em gastar e inutilidades;
  2. usar produtos 2 em 1 - eu uso uns quantos produtos que têm mais de uma funcionalidade: a água micelar; o produto de lavar a cara que dá para usar no corpo; o óleo de coco que dá para o cabelo e para cozinhar (com embalagens diferentes, óbvio!);
  3. usar um produto de cada vez - eu só tenho um perfume e só quando esse acaba compro outro. Assim evito desperdício e que o perfume perca a suas propriedades;
  4. comprar perfumes em perfumarias e originais - as cópias que po aí andam não prestam. Temos de colocar mais e passado pouco tempo já não se sentem. Os perfumes originais com menos quantidade, duram o dia todo.
  5. usar produtos com doseador - poupa-se imenso produto, porque apenas colocamos a quantidade exata que precisamos.
E vocês, durante este ano, que truques de poupança novos começaram a utilizar?

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Em Outubro...

  • Estive três semanas de férias;
  • Fui à aldeia;
  • Regressei ao trabalho;
  • Andei no destralhe;
  • Tive 19 dias de 0€.
Foi um mês calmo... 

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

A noiva | Julie Garwood


 

Sinopse:

Por ordem do rei, o bravo escocês Alec Kincaid vê-se obrigado a escolher uma jovem inglesa para sua noiva. Uma contrariedade que passa a desejo mal o seu olhar recai sobre Jamie, a filha mais nova do barão Jamison. A encantadora jovem de olhos violeta desperta logo nele uma vontade de lhe tocar, de a possuir, de a amar… para sempre.

Mas Jamie tem outros planos, que não incluem um bárbaro das Terras Altas escocesas como seu marido…

Apesar dos prazeres selvagens que se adivinham sob a fachada arrogante e rude de Alec, Jamie sabe que não deve sucumbir. Mas os beijos escaldantes do fogoso escocês acabam por levar a melhor sobre a sua vontade… e um sentimento bem mais poderoso do que o desejo ameaça dominá-la por completo.


A minha opinião...

Foi o primeiro livro que li desta autora.

Gostei! Fácil leitura, mas nada maçadora. A história tem ação e romance quanto baste.

É uma excelente opção de leitura para férias.

Dou 3 estrelas!!

sábado, 10 de outubro de 2020

de regresso...


Depois de umas longas e merecidíssimas férias, estamos de volta.

Com as energias renovadas e muitas ideias.

Espera-me um ano muito difícil, de muito MESMO!!!

Mas também de muita aprendizagem.

Espera-me um ano de muitos desafios, mas também de muitas aventuras. :-)

Vamos a ele, então...

quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Em Setembro...

 
  • Fiz anos;
  • A mana fez anos;
  • A sobrinha do coração fez um aninho. Está uma crescida!
  • Estive 3 semanas de férias;
  • Regressei aos crafts;
  • Tive 22 dias de 0€.

Foi um mês para descansar e recuperar energias!

terça-feira, 22 de setembro de 2020

A fonte silenciosa | Victoria Fox


Sinopse:                                   

Lucy Whittaker é o centro das atenções… mas pelos piores motivos. Está prestes a tornar-se a mulher mais odiada de Inglaterra e precisa desesperadamente de sair de Londres, onde, aliás, já não lhe resta nada. Perdeu o emprego, os amigos, a casa… perdeu-o a ele… A sua vida, tal como a conhecia, acabou.

Em desespero, Lucy responde a um anúncio de emprego numa mansão isolada na Toscana.
O que pode ser mais perfeito do que um esconderijo italiano? 
Mas o imponente e misterioso Castillo Barbarossa revela ser bem mais do que o paraíso de isolamento pelo qual Lucy ansiara. Do sótão vêm sons estranhos; a silenciosa fonte do pátio nunca chega a secar, e por que motivo é que a proprietária da casa nunca aparece?

À medida que os dias passam e as noites escondem mais e mais inquietações, Lucy dá por si a investigar a casa, os seus segredos… e a trágica história de amor cujo eco se faz ainda sentir.
A Fonte Silenciosa é um romance repleto de emoção, surpresas, traição e escândalos. É um livro que vai permanecer consigo, mesmo nos momentos em que não o está a ler…

A minha opinião:

Tenho ideia que este foi o primeiro livro que li desta autora e não fiquei particularmente fã da escrita.

História típica, sem ação, sem grande emoção. Mais do mesmo!

Não gostei!

 

Dou 1 estrela!

domingo, 20 de setembro de 2020

Francesinha Marco

Dias antes de ser declarada a quarentena e o confinamento obrigatório houve ainda tempo para festejar condignamente um objetivo de vida: acabar com a dor de cabeça!
Para tal, escolhemos ir conhecer a Francesinha do Marco.
Foi a primeira vez que provei uma francesinha e gostei.
Contudo, devo dizer que, para mim, este é um prato de conforto. Um prato para os dias frios de inverno e, sobretudo, para comer ao almoço, seguido de uma bela tarde de passeio. É que a dita enche, mas enche!
De qualquer forma, recomendo o restaurante!

Aqui  fica o registo fotográfico para a posteridade!







Claro que teve de haver sobremesa!!!

sábado, 19 de setembro de 2020

diário financeiro #1: ser financeiramente saudável...


Nesta jornada financeira é importante termos bem claro quais são os nossos objetivos, o que pretendemos alcançar com ela.

No meu caso, eu pretendo essencialmente ser financeiramente saudável e, em última instância, atingir a paz financeira.

E o que é que eu entendo por ser financeiramente saudável?

De um modo muito simples e direto, pretendo com o meu vencimento pagar todas as minhas despesas, poupar e viver a vida sem ter de me preocupar com contas. Ou seja, pretendo chegar ao fim do mês com 50% do meu vencimento poupado para a concretização dos meus sonhos, as minhas despesas fixas e essenciais totalmente pagas e ir aproveitando o que a vida me dá de bom (ir jantar fora porque me apetece, ir passar um fim de semana fora, etc.) sem ter de fazer grande contas. Sem ter me fazer opções ou escolhas. Sem ter de fazer grandes sacrifícios.

E como pretendo fazer isso?

Dado que sou assalariada, o meu vencimento não depende propriamente de mim. Agora, depende de mim lutar todos os dias para melhorar isso. Para melhorar o meu desempenho profissional e com isso abrir portas a eventuais promoções e progressões que me trarão mais vencimento ao fim do mês. E isso meus amigos, estou lá todos os dias!!

Também depende de mim fazer uma gestão eficaz do meu vencimento e é nisso que eu me vou focar. 

Na vida é importante percebermos quais as lutas que devemos ter e apenas nos preocuparmos com aquilo que realmente controlamos. 

Por mim, há muitos anos que tinha sido promovida, mas eu não tenho nenhum controlo sobre isso (obrigada Orçamento de Estado!). 

Agora posso controlar o meu desempenho profissional diário, a minha atitude, o meu comportamento, aperfeiçoar os meus conhecimentos, o meu crescimento enquanto profissional. E um dia, estou certa, o reconhecimento virá.

Posso igualmente controlar a forma como gasto o vencimento, trabalhar a disciplina de cumprir os objetivos financeiros a que me proponho, não gastar indevidamente, etc.

Assim sendo, a ideia é nas finanças, à semelhança do que já acontece no mundo laboral, preocupar-me apenas com aquilo que eu posso controlar e deixar nas mãos de Deus o resto.

E vocês? O que pretendem atingir? 

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Nova rubrica... :-)

Ora, pois bem… pediram e aqui está!

Damos hoje início a uma nova rubrica neste espaço: diário financeiro. O nome não é muito original, mas não me ocorre outro. E a bem dizer é o que eu chamo a um separador da minha agenda. :-)

Se algum dia tiver uma ideia mais gira para ele, atualizo-o! :-)

Nesta rubrica vou então partilhar convosco o que vou fazendo para ser financeiramente saudável.

Recordo que não sou de todo da área financeira. Aliás eu e a matemática temos uma relação muito conturbada mesmo. O que vou partilhar são as minhas experiências, avanços e recuos, o que funciona ou não para mim. Pode ou não funcionar para outros.

No entanto, gostava de contar com a vossa colaboração. Com as vossas ideias e truques para eu experimentar. Que partilhem como foi, se testaram ou não alguma das minhas ideias, que inovações introduziram…

A ideia é criar aqui um espaço de partilha e aprendizagem para todos.

Posso contar convosco nesta empreitada? 

 

 

 

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

NÃO GOSTO!! NÃO GOSTO!!

NÃO GOSTO!!

Desta nova versão do Blogger. O interface perdeu a simplicidade e fácil manutenção que o caracterizava.

Escrever um texto tornou-se um suplício. Está sempre a parar. 

Perdemos opções de formatação de texto. 

As imagens ficam minúsculas.

Acho muito bem que modernizem as coisas, mas há que saber modernizar e, neste caso e na minha opinião, apenas complicaram o que funcionava bem. 

Acrescentem opções que realmente acrescentem valor e facilitem a vida a quem usa a plataforma.

NÃO GOSTO MESMO NADA DO NOVO BLOGGER!!!!

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Viver com pouco # 36: das frustrações financeiras...


 
Sabem aquela ideia extraordinária de parar e refletir sobre a nossa vida financeira?
Pois… eu tive uma ideia dessas recentemente.
Resultado: uma grande frustração financeira!
Tudo começou com uma revisão orçamental e acabou numa avaliação de como estava a correr o ano.
Bem sei que tem sido um ano muito atípico, mas mesmo assim feitas as contas, num ano que tinha tudo para ser de poupança, afinal até tivemos direito a uma pandemia que podia potenciar isso, acaba por ser o contrário.
A poupança pouco ou nada cresce, compras poucas ou nenhumas, mas dinheiro que é bom nem vê-lo!
Isto de levar a vida a fazer contas, a procurar e testar novas estratégias constantemente, de ver poucos ou nenhuns resultados, de querer ir de férias a sério e não conseguir, de não ter roupa suficiente para vestir, de querer ir passear num fim-de-semana ou jantar fora quando me apetece é muito desgastante e cansativo. Muito cansativo!!
Moral da história: todo um novo plano de vida e ou não me chamo Maria ou não resolvo isto de uma vez por todas!!!
E fica a dúvida: querem que conte por aqui  que vou fazendo e o que vai acontecendo?

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Em Agosto ...



  • Comprei um telemóvel novo;
  • assumi novas funções;
  • trabalho, trabalho e mais trabalho… Colegas de férias dá nisto!
  • tive 19 dias de 0€.
Este foi também um mês de paragem e muita reflexão. Há coisas que precisam definitivamente de mudar...

domingo, 23 de agosto de 2020

Viver com pouco # 35: dificuldades orçamentais...

… ou melhor sobre epifanias orçamentais.
Recentemente, fiz uma nova revisão ao meu orçamento.
E apercebi-me de uma coisa… o mais difícil não é fazer um orçamento. É cumprir o orçamento.
É cumprir um valor orçamentado para uma categoria.
E porquê?
Porque a vida simplesmente acontece e ultrapassa-nos.
E nem me estou a referir à categoria do lazer, onde normalmente acontece o descontrolo. Falo mesmo quando a vida decide atuar nas chamadas despesas obrigatórias e essenciais para se viver.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Em Julho...


  • Recebi o reembolso do IRS (este ano demorou imenso tempo. Nunca me tinha acontecido!);
  • houve duas idas à aldeia;
  • sushizada com a mana;
  • fomos visitar a sobrinha do coração ao longe. Está gira que dói :-)
  • foram-me atribuídas novas funções no trabalho;
  • tivemos um brunch day;
  • houve tempo e necessidade de algum shopping;
  • Tive 20 dias de 0€.

terça-feira, 30 de junho de 2020

Em Junho...


  • regresso à normalidade no trabalho;
  • comemorou-se o dia dos irmãos;
  • fomos pela primeira vez buscar take-away. Escolhemos sushi. Correu bem, matámos as saudades, mas confesso que foi estranho comer sushi em casa;
  • houve passeio em família a Fátima;
  • houve almoçarada no trabalho para comemorar a reunião da equipa;
  • fomos pela primeira vez a um centro comercial em mais de três meses;
  • houve 16 dias de 0€

domingo, 28 de junho de 2020

i'm alive!!!

Sim, estou viva!!
Muito cansada e sem grande inspiração para escrever, mas vivinha da silva!!
Até tenho coisas para partilhar, ideias para posts, mas depois falta-me a inspiração para as colocar em palavras e frases com sentido.
O trabalho tem sido muito.
Não houve grandes pausas no Covid-19, entretanto com o desconfinamento a equipa reuniu-se, mas o trabalho aumentou também. Agora começam as férias. Nova diminuição da equipa, mas o volume de trabalho tende a aumentar.
Aqui, por Lisboa, é conhecida a situação que se vive por causa da pandemia. Isso também não ajuda nada à festa.
Nas finanças, a nova organização continua em prática. Já teve alguns progressos, no sentido de simplificá-la ainda mais. Cada vez mais, para mim o que é simples é o que mais funciona. Tenho de fazer um post a explicar tudinho.
Estou a testar uma nova organização pessoal e laboral. Depois conto-vos mais.
Os fins-de-semana são passados entre as costuras e o sofá.
E por aí?
Como estão as coisas? :-)

segunda-feira, 15 de junho de 2020

O filho pródigo | Danielle Steel


Sinopse:
Um regresso a casa e um reencontro de irmãos… Que verdades serão reveladas?
No caso dos irmãos gémeos McDowell, o rosto é o mesmo… só a personalidade os separa. Peter trabalha na alta finança, prospera. Michael ficou pela cidade natal e tornou-se um respeitado médico. A relação de ambos sempre foi tensa, e quando Peter regressa à casa dos pais tudo parece mais sereno e amistoso. Ao descobrir os diários da mãe, é obrigado a voltar atrás no tempo e a enfrentar a verdade sobre a sua morte. Um poderoso e acutilante romance, de complexas e imprevisíveis personalidades, que Danielle Steel orquestra com a sua habitual maestria emotiva. «Neste romance, quis olhar o mal nos olhos, porque existe», diz a autora, e é preciso conhecê-lo para o derrotar.

A minha opinião…
De todos os livros que li desta autora, este é completamente diferente do que havia lido até agora.
A começar pela temática e a terminar no desenrolar da história, foi uma surpresa até ao fim.
Esperava uma coisa, mas saiu outra. Mas não é que ficasse desiludida. Diria que fiquei surpresa.
Mas o balanço é positivo.

Dou 3 estrelas!

quarta-feira, 10 de junho de 2020

É por isto...

Recentemente recebi este comentário…

"E porque não usar cartão de crédito com cash back? Por exemplo o universo por casa 100euros ganhamos 1eur para gastar nas lojas do grupo. Eu compro a crédito e não impediu que comprasse um carro de 40mil a pronto. Temos que aproveitar todas as migalhas :) "

… e é por causa disto que eu não gosto de créditos*:
  • porque sinto que o bem não é realmente meu enquanto não está pago, logo não me sinto confortável em usá-lo;
  • porque gosto de viver 1 nível abaixo das minhas reais possibilidades;
  • porque não sei o dia de amanhã e, pasmem-se! pode haver uma pandemia que pare o mundo;
  • porque posso ter uma diminuição real de rendimentos (como aconteceu na crise económica de 2011) ou até perder o emprego;
  • porque gosto de ter as minhas contas em dia;
  • porque quem ganha sempre e realmente com os créditos são os bancos e as financiadoras (nós apenas somos iludidos que temos algum benefício);
  • porque é que hei-de pagar 120€ por alguma coisa, quando posso pagar 80€ e ficar na carteira com os 40€ de juros?;
  • porque é que para ter algum benefício tenho de ficar obrigada a algo, como no caso desse cartão Universo?;
  • porque é uma sensação extraordinária cumprir um sonho e não ficar com o futuro comprometido com um crédito.
Enfim… podia continuar, mas acho que já deu para perceber o porquê da minha opção.
Não condeno quem opte por viver à base de créditos, é a sua opção e tem de arrecadar com as consequências boas ou más, tal como eu com as minhas.
Mas confesso que me custa horrores ver na tv famílias sem dinheiro para comer, sem casa para viver e depois têm computadores de 4000€, o último iPhone, Mercedes à porta de casa, férias todos os anos no Algarve…


*não vamos considerar aqui o crédito à habitação!

segunda-feira, 1 de junho de 2020

O meu roupeiro...

Já não é novidade por aqui a minha luta com o meu roupeiro.
Muito eu tenho lido, experimentado, testado…
Este ano um dos meus objetivos é começar a resolver de vez este problema.
E digo começar, porque sem dúvida é algo que vai precisar de um bom investimento e o dinheiro não abunda por aqui.
Mas vamos ao que realmente interessa…
Sem margem para dúvidas que a nossa imagem tem um grande impacto em nós e nos outros. E ter uma imagem cuidada faz toda a diferença.
Nos últimos anos, por circunstâncias que não vem ao caso, esta foi uma das áreas da minha vida que entrou em modo sobrevivência.
Mas este ano a coisa vai mudar.
Como vem sendo hábito com a chegada de uma nova estação veio a limpeza do roupeiro e a preparação para a nova estação.
Devo dizer que se houve algo de bom com esta pandemia foi ter permitido que eu conseguisse gerir a pouca roupa que dispunha.
O facto de ir apenas dia sim, dia não trabalhar ajudou bastante. Deu-me tempo para me organizar financeiramente, para estudar como criar um roupeiro à minha medida, como comprar de forma inteligente.
E com este processo tomei consciência de uma coisa bastante simples, mas que acabou por fazer toda a diferença: eu posso ler muito sobre o assunto, ver muitos filmes com dicas, no entanto pouco ou nada importam, porque não se adequam à minha realidade.
Não faltam testemunhos por essa internet fora, não falta literatura sobre como reduzir a nossa roupa ao essencial e indispensável. Sobre organização de roupeiro, destralhe, armário cápsula, como comprar roupa, como descobrir o nosso estilo. Mas nada disso importa se seu estou na ponta oposta.
Bem vistas as coisas, por aqui sempre houve um armário cápsula e minimalista.
Desde garota que apenas houve o mínimo indispensável para vestir. Desde garota que volta e meia, no inverno sobretudo, era um problema garantir roupa para a semana toda. Principalmente se chovia durante o fim-de-semana e a roupa não secava.
Por exemplo, nesta última limpeza e com o aproximar do regresso ao trabalho, em regime normal, que fiz dei comigo com apenas 3 tops e 5 dias para ir trabalhar.
Por isso, é claro que o meu problema é diferente: eu tenho uma real necessidade de comprar roupa.
Não quero com isto dizer que vou desatar a comprar de forma descontrolada, sem pensar, sem olhar a nada. A minha natureza metódica e organizada não me deixa. O meu baixo orçamento não me deixa. O parco espaço que disponho não me deixa.
Mas decidi que depois de tanta informação recolhida, depois de tanta leitura, Youtube, e sobretudo depois desta tomada de consciência, decidi que o melhor era fazer tábua rasa de tudo e começar do zero. De criar o meu método para criar o meu perfect closet.

domingo, 31 de maio de 2020

Em Maio...


  • comecei uma nova organização financeira;
  • acabei uma das tarefas gigantes do ano, no trabalho;
  • terminou o Estado de Emergência (e não sei se foi boa ideia…);
  • costurei máscaras sociais como uma doida (daí o meu afastamento daqui!);
  • comemorou-se o dia da mãe (em casa, como devia ser!);
  • o esquema no trabalho manteve-se, mas aumentou o volume;
  • tive 18 dias de 0€.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Regresso a Itália | Elizabeth Addler


Sinopse:
O marido de Lamour Harrington morreu há dois anos. Desde então, Lamour deixou-se absorver pelo seu trabalho de arquiteta paisagista, mas nem sequer a criação de belas «salas» exteriores consegue devolver-lhe a paz interior. Quando é confrontada com uma horrível verdade sobre o marido que adorava, Lamour percebe que precisa de um lugar onde se reconciliar com a vida. Regressa à casa na costa amalfitana onde viveu com o pai durante os anos mais felizes da sua infância. Mas a casa das suas recordações contém os seus próprios segredos e obriga-a a enfrentar novas verdades sobre outro homem que amou em pequena. A morte do pai foi mesmo acidental? Ou esconderia alguma coisa que precipitou o seu desaparecimento precoce?
Dividida entre dois homens misteriosos e irresistíveis, Lamour descobre que o passado tem formas de reaparecer quando menos se espera. E alguém quer assegurar-se que Lamour não revela os segredos daquele refúgio idílico e de sonho. Quando o passado e o presente colidem num clímax demolidor e cheio de suspense, Lamour deve encarar o que mais teme, para encontrar a coragem de viver a vida na sua plenitude. Regresso a Itália é um romance fascinante, que nos excita os sentidos e se lê de um fôlego.

A minha opinião…
Acabei ontem este livro.
E dos três livros desta autora que li recentemente, foi o que menos gostei.
Achei a história muito lenta, para no fim tudo se resolver em duas páginas. Eu sei que acontece isso em muitos livros, mas a falta de aventura, de suspense, de novidades ao longo da história tornou-a muito maçuda. Ao contrário dos outros dois que havia permanentemente novidades a acontecer.
 
Dou 2 estrelas!

terça-feira, 19 de maio de 2020

O sistema de envelopes cashless...


Os vossos pedidos são ordens!! :-)
Pediram-me que explicasse a minha nova organização financeira: o sistema de envelopes, na versão cashless.
Pois bem, aqui fica…
na realidade a alteração foi muito simples: substituí os envelopes físicos por trackers. Folhas de agenda com a informação.
Para cada envelope criei um tracker. Neste momento eu tenho três trackers: lifestyle, extras e hobby.
Basicamente no início do mês coloco o valor disponível para cada categoria no topo de uma folha da agenda.
Depois sempre qua pago alguma coisa com o cartão de multibanco ou levanto dinheiro aponto a data, o valor e o saldo disponível a vermelho.
Se por algum motivo deposito dinheiro numa rubrica (por exemplo hobby) então aponto a data, o valor e o saldo a azul.
Eu sou muito visual e usar um código de cores ajuda-me a facilmente identificar as coisas e a ter uma maior clareza. Faço o mesmo com a agenda e as tarefas.
Comecei a usar este sistema porque na minha opinião resolveu alguns dos problemas que o sistema físico tinha, para mim. E por causa das recomendações da DGS em privilegiar o pagamento com cartão em detrimento do dinheiro, aquando do início da pandemia.
Como não sei se fui muito clara, deixo o vídeo onde me inspirei.
Apesar de achar que o método da autora é algo complicado de manter no dia-a-dia, pode ser mega simplificado e de simples manutenção.
Qualquer dúvida, digam…


segunda-feira, 18 de maio de 2020

Viver com pouco # 34: Pagamento a pronto pagamento...


Eu sou uma defensora acérrima do pagamento a pronto.
Prefiro mil vezes poupar e só comprar com o valor na íntegra na mão do que pagar a crédito e dar o meu rico dinheirinho (que tanto me custa a ganhar!) de graça a outras entidades.
E já me aconteceram cenas caricatas, quando questionada pelo funcionário se pagaria a crédito.
A cara do funcionário foi priceless quando lhe disse que pagaria o iPhone com Multibanco.
E quando não quis fazer o upgrade do tarifário, cheguei a ficar preocupada porque parecia que o funcionário ia ter uma síncope ali à minha frente! :-D :-D :-D
Créditos e cartões de crédito não são para mim. Acho que, o que adquiri não é realmente meu. Afinal não o paguei na hora.
Claro está que fora desta condição está o crédito à habitação. Este só mesmo ganhando a lotaria é que não acontece!

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Viagem a Capri | Elizabeth Addler


Sinopse:
Quando o magnata inglês Sir Robert Waldo Hardwick morre de forma misteriosa num acidente de viação, deixa uma carta a nomear seis pessoas que suspeita lhe tenham desejado a morte. Daisy Keane e o investigador Harry Montana juntam-se para levar os suspeitos (e outros convidados como manobra de diversão) num fabuloso cruzeiro pelo Mediterrâneo, com todas as despesas pagas pelo falecido Sir Robert. O mistério aumenta à medida que vão aportando em Monte Carlo, Saint-Tropez e Sorrento. E as reviravoltas inesperadas são apenas o princípio.
Por fim, chegam à bela Villa Belkiss em Capri, onde será lido o testamento de Sir Robert... e o assassino desmascarado. Com a beleza da paisagem do Yorkshire, as estâncias do Mediterrâneo e o magnífico iate de cruzeiro, mais a atracção intensa entre o solitário Harry Montana e a desconfiada Daisy, as paixões inflamam-se e o encanto da Villa Belkiss deslumbra.
Ninguém escreve viagens maravilhosas ou suspense como Elizabeth Adler.
 
A minha opinião…
Mais uma sugestão de leitura bem leve e fácil de ler. Romance e mistério são os principais ingredientes deste livro.
Grande parte da história acontece durante um cruzeiro pelo Mediterrâneo e dei por mim a imaginar que fazia um. Realmente termos algum tempo livre pode ser muito perigoso para as finanças! :-)
Gostei e recomendo!

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Em Abril...


  • o esquema laboral manteve-se o mesmo;
  • comemorou-se a Páscoa em casa, como devia ser. Afinal, temos o dever de recolhimento para cumprir;
  • o Covid-19 continuou  a fazer das suas e o número de vítimas é assustador. Pensar nas famílias que estão a passar por isto de uma forma mais próxima é demasiado triste;
  • regressei às costuras e fiz umas quantas dezenas de máscaras sociais que ofereci;
  • tive 22 dias de 0€.
Foi um mês diferente...

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Sobre a minha atual organização laboral...

 
A pandemia alterou grande parte das nossas rotinas.
Com um esquema de trabalho novo, rapidamente percebi que teria de conciliar as idas ao trabalho com o trabalho em casa. Só tinha a ganhar com isso! Desta forma, iria não só colocar o trabalho em dia, como antecipar algum. :-)
Assim para gerir a coisa com calma passei por algumas fases:
  1. adaptação à nova realidade e horários de trabalho;
  2. criação de novas rotinas;
  3. consciencialização que esta situação estava para durar e que, quanto mais rápido me adaptasse a ela melhor seria para mim;
  4. leitura e pesquisa de informação;
  5. definição dos meus objetivos - fazer menos, mas melhor; ser mais eficiente; melhorar o meu desempenho; deixar de me sentir assoberbada ou perdida numa lista interminável de tarefas e responsabilidades; garantir que as fases de trabalho mais complicadas são atravessadas de uma forma mais leve;
  6. brainstorm de tarefas e responsabilidades atuais no trabalho (levei um susto! Eu sabia que eram muitas, mas vê-las no papel é outra coisa!)
  7. perceber o que poderia ser feito em casa e o que só poderia ser feito no serviço;
  8. definir claramente as prioridades;
  9. brainstorm de TODAS as tarefas que tinha de fazer;
  10. eliminar o que não interessa;
  11. organização das tarefas para cumprir (dividir p.e. grandes tarefas em micro-tarefas);
  12. fazer uma master To Do List, (vai sendo também alimentada com as tarefas novas que vão aparecendo;
Depois foi definir como gerir tudo…
  • Diariamente, no meu Bullet Journal, faço uma lista de tarefas para cumprir nesse dia. São no máximo 5 e procuro que uma delas seja proveniente da master To Do List;
  • se o dia corre particularmente bem e termino tudo, faço uma nova lista de tarefas, desta vez com apenas 3 e todas da master To Do List.
Por enquanto tem funcionado muito bem.
Tenho conseguido cumprir tudo a que me proponho e já levo duas tarefas anuais gigantes (que tinha obrigatoriamente que cumprir) bastante adiantadas.
Se tudo correr como planeado termino esta fase de trabalho diferente com elas terminadas. O que é um grande alívio, dado que os dois últimos meses do ano vão ser de muito, mas mesmo muito trabalho.
E por aí como se têm organizado para trabalhar?

quinta-feira, 23 de abril de 2020

how i budget today... # 2


Como sabem eu debato-me com o método a utilizar para gerir o dinheiro do mês.
No mês passado andei assim e confesso que não gostei lá muito!
Sinto que perdi muito facilmente o fio à meada. Raramente sabia a quantas andava e o valor que dispunha. E não gostei nada dessa sensação. Não extrapolei o orçamento, mas acho que foi mais devido à situação em que vivemos atualmente, do que devido à minha organização financeira. Talvez não tenha sido a altura certa para este método…
Seja como for, eu ando sempre dividida entre o uso do Multibanco e o sistema de envelopes para gerir este valor.
Ambos têm vantagens e desvantagens. Eu é que tenho de perceber o que funciona melhor para mim. E agora que a dor de cabeça terminou e que há toda uma nova vida financeira, é o momento ideal para descobrir.
Esta minha nova vida financeira coincidiu com a pandemia do Covid-19 e todas as novidades que isso trouxe à nossa vida. E isso mexeu também com a forma como eu encaro o meu rendimento.
Tornou-se mais evidente que perdê-lo é totalmente indesejável (por isso, há que todos os dias procurar ser melhor e indispensável para o serviço).
Tornou-se mais forte o desejo e a vontade de viver com a penas 50% do meu rendimento (o Covid-19 mostrou-nos que NADA é garantido na nossa vida e que toda a preparação para o futuro é pouca).
Tornou-se mais forte a vontade de aumentar o meu rendimento (depois de um início de pandemia pouco amigo do meu anti-stress, a vontade de fazer regressou e com novas ideias, novos planos, a ver vamos…)
Mas também é fundamental aprender a gerir o valor do mês de uma vez por todas. Já vai sendo tempo de ver a lista de compras realmente a diminuir, de ter o meu tão desejado closet, de começar a concretizar sonhos e objetivos. De fazer com que tenha mais dinheiro, do que mês.
Assim tenho aproveitado este tempo de semi-paragem para refletir, para aprender bastante sobre esta questão do dinheiro do mês.
E à beira de receber mais um vencimento e quando preparo mais um mês decidi que durante o próximo mês vou recorrer ao método do sistema de envelopes, na sua versão cashless.
E isto porque durante as minhas pesquisas descobri uma forma de contornar dois problemas que o método dos envelopes tinha para mim:
  1. a necessidade de andar com dinheiro e a insegurança que isso me trazia, que com esta versão não é necessário. Fica tudo no Multibanco e não corro risco de passar vergonhas;
  2. o controlo do valor disponível.
Tudo isto se resolve com o recurso à substituição dos envelopes, por trackers que andam na agenda e onde vou controlando os saldos disponíveis nas rubricas.
Vamos ver como corre..

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Casamento em Veneza | Elizabeth Adler


Sinopse:
Apesar de viver na cidade mais romântica do mundo, Precious Rafferty nunca se apaixonou perdidamente. Até que conhece Bennett James. Estará na altura de se deixar, finalmente, arrebatar pelo romantismo e ter o casamento dos seus sonhos em Veneza?
Do outro lado do mundo, em Xangai, Lily Song, prima de Precious, guarda um valioso e perigoso segredo de família. Quando Lily suplica a Preshy que se encontrem em Veneza e a alerta para os perigos que corre, a vida de ambas vai mudar para sempre.
Entretanto, em Paris, Precious conhece o escritor Sam Knight, um homem cativante, mas desencantado com a vida. Precious sente Sam cada vez mais próximo de si e receia que ele esteja também enredado nesta emaranhada teia de perigo e desejo. Será que Sam também não é quem aparenta ser? Esconderá algum segredo terrível? Em Veneza, Precious terá de serpentear através de um labirinto de traição e sedução para descobrir a quem poderá confiar, de uma vez por todas, o seu coração... e a sua vida.
Empolgante, exuberantemente descritivo e inteligente, Casamento em Veneza é um jogo do gato e do rato com muitas reviravoltas e romances arrebatadores. A mestria narrativa de Elizabeth Adler no seu melhor.

A minha opinião…
Neste tempo de isolamento é importante arranjar estratégias para passarmos o tempo, para desanuviar as ideias e descansar a mente.
Duas estratégias que eu uso são o artesanato e a leitura.
Por norma, gosto de livros de leitura fácil. Lá está leitura para lazer.
No entanto, e apesar de continuar a trabalhar num esquema algo diferente, depois de ler o último livro percebi que enquanto isto durar, policiais e thrillers, não!
Preciso mesmo de livros mais leves.
Numa ida ao supermercado dei de caras com a autora Elizabeth Adler e veio comigo.
E apesar de ser romancista descobri que esta autora mistura de uma forma muito simples e leve romance com policial.
Gostei bastante do livro!

domingo, 12 de abril de 2020

:-)

 
Nesta que será, sem dúvida, uma Páscoa muito diferente para todos nós desejo-vos uma SANTA e FELIZ PÁSCOA junto dos vossos!!
Protejam-se!!
Fiquem em casa!!

sexta-feira, 10 de abril de 2020

O homem que perseguia a sua sombra | David Lagercrantz


Sinopse:
Lisbeth Salander cumpre uma curta condenação no estabelecimento prisional feminino de Flodberga e faz o possível por evitar qualquer conflito com as outras reclusas, mas ao proteger uma jovem do Bangladesh que ocupa a cela vizinha é imediatamente desafiada por Benito, a reclusa que domina o bloco B.

Holger Palmgren, o antigo tutor de Lisbeth, visita-a para a informar de que recebeu documentos que contêm informações sobre os abusos de que ela foi vítima em criança.
Lisbeth pede ajuda a Mikael Blomkvist e juntos iniciam uma investigação que pode trazer à luz do dia uma das experiências mais terríveis implementadas pelo governo sueco nos anos Oitenta do século XX. Os indícios conduzem-nos a Leo Mannheimer, sócio da corretora Alfred Ogren, com quem Lisbeth tem em comum muito mais do que algum deles podia pensar.

Em O Homem Que Procura a Sua Sombra, o quinto volume da série Millennium, David Lagercrantz construiu uma história emocionante sobre abuso de autoridade, e também sobre as sombras da infância de Lisbeth que ainda a perseguem.

A minha opinião…
Finalmente consegui ler o quinto volume da Saga Millennium. :-)
Aventuras de quem depende da biblioteca. ;-)
Neste volume acompanhamos mais um pouco da história perturbante, mas ao mesmo tempo cativante de Lisbeth. Ficamos a conhecer mais alguns detalhes da sua história e da sua relação com o jornalista Blomkvist.
Tudo sempre bem a estilo cru e sem filtros que tanto caracteriza a literatura policial nórdica.
Dou 4 estrelas!! Recomendo (para quem gosta, claro!)

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Os portugueses e o Covid-19... # 3


Saímos à pouco tempo de uma crise económica gravíssima que colocou os portugueses à prova.
Estamos neste momento a viver uma crise sanitária de nível mundial, que começa a ter reflexos económicos.
Estamos todos no mesmo barco. TODO o mundo!
Em Portugal, o Covid-19 está a ser utilizado como pretexto para despedimentos, para encerramento de empresas.
Caminhamos a passos largos para uma nova crise económica a nível mundial e muitos portugueses parecem não estar minimamente preocupados em perder o seu emprego, pois na hora de cumprir o dever de isolamento está quieto!
Sendo que cada dia que passa sem se cumprir esse isolamento, aumentamos o tempo de isolamento que teremos de ficar. Aumenta a possibilidade de contaminação. Aumenta a possibilidade de ficar sem emprego.
Tenho para mim que se os portugueses estivessem realmente preocupados com a hipótese de perder o emprego e o seu rendimento, estariam a cumprir escrupulosamente as indicações das entidades de saúde, para esta pandemia acabar o mais rápido possível e tudo regressar à normalidade.
Cada dia que não cumprimos o isolamento, acrescentamos uma semana de isolamento, atrasamos o nosso regresso.
(E fala-vos alguém que mesmo que isto dure um ano terá sempre o emprego garantido, mas que mesmo assim luta diariamente para não perder o que tem garantido!)
Depois parece que virou moda esperar que o Estado seja o salvador de tudo e de todos. O Estado tem de ter dinheiro para pagar salários do público e do privado.
Daqui tiro uma lição: em Portugal não se aprende com os erros. Em Portugal não se aposta na prevenção. Em Portugal não se seguem bons exemplos.
Depois de termos passado tão mal com a última crise económica, seria expectável que os portugueses, o Estado, os Privados tivessem aprendido alguma coisa. Que se apostasse em algo tão simples como educação financeira. Que se ensinasse às famílias a gerir bem os seus rendimentos, a viver dentro das suas possibilidades. Que se ensinasse aos gestores a não darem um passo maior que a perna. Que se ensinasse a preparar o futuro, porque não sabemos o dia de amanhã. E a vida não levou assim tanto tempo a mostrar que num minuto tudo muda.
Mas não… não se aprendeu nada!
E vemos novamente o desemprego a subir, as em sérias dificuldades, a economia a afundar…
Se calhar se tivéssemos aprendido alguma coisa, se tivéssemos apostado na mudança de mentalidade, agora seríamos melhores seres humanos. Poderíamos estar mais preocupados em salvar a vida humana, em controlar esta pandemia o mais rápido possível, porque teríamos uma boa retaguarda financeira para nos sustentar. E quanto mais rápido isto terminasse, mais rápido recuperaríamos a economia.
Talvez assim o prejuízo fosse menor… talvez não… não sei.
O que sei que é mais uma vez o problema dos portugueses está na mentalidade…

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Caffé Amore | Nicky Pellegrino


Sinopse:
Amor, Itália e pasta são os ingredientes indispensáveis para o mais saboroso romance deste Verão.
Itália, 1964. Maria Domenica é a filha mais velha de Pepina e Erminio Carrozza, uma família de agricultores da pequena aldeia de San Giulio. Aos dezasseis anos, a vida de Maria está limitada à cozinha da sua mãe e ao Caffe Angeli, um local de convívio, de café intenso e do famoso ricotta sfolgliatelle.
Os pais de Maria têm grandes expectativas para a sua bela primogénita, mas ela tem outros planos… entre eles, uma fuga para Roma. Um ano depois, Maria está grávida de oito meses e vê-se obrigada a regressar a San Giulio, onde a espera um casamento de fachada. Mas Maria não desiste de procurar uma nova vida para si e para a sua filha, Chiara, mesmo que isso signifique ir contra as convenções e tradições, e rapidamente volta a fugir, desta vez para a Grã-Bretanha. Muitos anos mais tarde, vai ser Chiara a regressar a San Giulio, onde descobre que a vida simples que procura não é tão simples como parece - principalmente no que diz respeito ao passado.
Repleto de personagens fascinantes, paisagens belíssimas, cheiros e sabores tentadores, Caffè Amore retrata de forma magnífica o universo feminino, num claro piscar de olhos a obras como Chocolate, de Joanne Harris.

A minha opinião…
Aqui fica mais um sugestão de uma leitura leve, fresca, simples e ideal para as férias de verão e para este tempo de isolamento que vivemos atualmente.
Num só livro conseguimos viajar pelas belas paisagens italianas, saborear as receitas e quase sentir os cheiros que polvilham a história.
Esquecemos o que se passa lá fora, nem que seja por momentos.
Tal e qual como eu gosto! :-)